Salmo 78 - punição de infiéis

22/05/2008

 

A providência divina na história do seu povo
Salmo didático de Asafe

1 Escutai o meu ensino, povo meu; inclinai os vossos ouvidos às palavras da minha boca.
2 Abrirei a minha boca numa parábola; proporei enigmas da antiguidade,
3 coisas que temos ouvido e sabido, e que nossos pais nos têm contado.
4 Não os encobriremos aos seus filhos, cantaremos às gerações vindouras os louvores do Senhor, assim como a sua força e as maravilhas que tem feito.
5 Porque ele estabeleceu um testemunho em Jacó, e instituiu uma lei em Israel, as quais coisas ordenou aos nossos pais que as ensinassem a seus filhos;
6 para que as soubessem a geração vindoura, os filhos que houvesse de nascer, os quais se levantassem e as contassem a seus filhos,
7 a fim de que pusessem em Deus a sua esperança, e não se esquecessem das obras de Deus, mas guardassem os seus mandamentos;
8 e que não fossem como seus pais, geração contumaz e rebelde, geração de coração instável, cujo espírito não foi fiel para com Deus.
9 Os filhos de Efraim, armados de arcos, retrocederam no dia da peleja.
10 Não guardaram o pacto de Deus, e recusaram andar na sua lei;
11 esqueceram-se das suas obras e das maravilhas que lhes fizera ver.
12 Maravilhas fez ele à vista de seus pais na terra do Egito, no campo de Zoã.
13 Dividiu o mar e os fez passar por ele; fez com que as águas parassem como um montão.
14 Também os guiou de dia por uma nuvem e a noite toda por um clarão de fogo.
15 Fendeu rochas no deserto e deu-lhes de beber abundantemente como de grandes abismos.
16 Da penha fez sair fontes e fez correr águas como rios.
17 Todavia, ainda prosseguiram em pecar contra ele, rebelando-se contra o Altíssimo no deserto.
18 E tentaram a Deus nos seus corações, pedindo comida segundo o seu apetite.
19 Também falaram contra Deus, dizendo: Poderá Deus porventura preparar uma mesa no deserto?
20 Com efeito, feriu ele a rocha, e dela manaram águas, transbordaram caudais. Pode ele dar-nos pão também? Ou fornecer carne para o seu povo?
21 Pelo que o Senhor, quando os ouviu, se indignou; e acendeu um fogo contra Jacó, e a sua ira subiu contra Israel;
22 porque não creram em Deus nem confiaram na sua salvação.
23 Contudo, ele ordenou às nuvens lá em cima e abriu as portas dos céus;
24 fez chover sobre eles maná para comerem e deu-lhes do trigo dos céus.
25 Cada um comeu o pão dos poderosos; ele lhes mandou comida em abundância.
26 Fez soprar nos céus o vento do oriente, e pelo seu poder trouxe o vento sul.
27 Sobre eles fez também chover carne como poeira, e aves de asas como a areia do mar;
28 e as fez cair no meio do arraial deles, ao redor de suas habitações.
29 Então, comeram e se fartaram bem, pois ele lhes trouxe o que cobiçavam.
30 Não refrearam a sua cobiça. Ainda lhes estava a comida na boca,
31 quando a ira de Deus se levantou contra eles, e matou os mais fortes deles, e prostrou os escolhidos de Israel.
32 Com tudo isso ainda pecaram e não creram nas suas maravilhas.
33 Pelo que consumiu os seus dias como um sopro, e os seus anos em repentino terror.
34 Quando ele os fazia morrer, então, o procuravam; arrependiam-se, e de madrugada buscavam a Deus.
35 Lembravam-se de que Deus era a sua rocha, e o Deus Altíssimo, o seu Redentor.
36 Todavia, lisonjeavam-no com a boca, mas com a língua lhe mentiam.
37 Pois o coração deles não era constante para com ele, nem foram eles fiéis ao seu pacto.
38 Mas ele, sendo compassivo, perdoou a sua iniquidade e não os destruiu; antes, muitas vezes desviou deles a sua cólera e não acendeu todo o seu furor.
39 Porque se lembrou de que eram carne, um vento que passa e não volta.
40 Quantas vezes se rebelaram contra ele no deserto, e o ofenderam no ermo!
41 Voltaram atrás e tentaram a Deus; e provocaram o Santo de Israel.
42 Não se lembraram do seu poder, nem do dia em que os remiu do adversário,
43 nem de como operou os seus sinais no Egito, e as suas maravilhas no campo de Zoã,
44 convertendo em sangue os seus rios, para que não pudessem beber das suas correntes.
45 Também lhes mandou enxames de moscas que os consumiram, e rãs que os destruíram.
46 Entregou às lagartas as novidades deles, e o fruto do seu trabalho aos gafanhotos.
47 Destruiu as suas vinhas com saraiva, e os seus sicômoros com chuva de pedra.
48 Também entregou à saraiva o gado deles, e aos coriscos os seus rebanhos.
49 E atirou sobre eles o ardor da sua ira, o furor, a indignação, e a angústia, qual companhia de anjos destruidores.
50 Deu livre curso à sua ira; não os poupou da morte, mas entregou a vida deles à pestilência.
51 Feriu todo primogênito no Egito, primícias da força deles nas tendas de Cão.
52 Mas fez sair o seu povo como ovelhas, e os guiou pelo deserto como a um rebanho.
53 Guiou-os com segurança, de sorte que eles não temeram; mas aos seus inimigos, o mar os submergiu.
54 Sim, conduziu-os até a sua fronteira santa, até o monte que a sua destra adquirira.
55 Expulsou as nações de diante deles; e dividindo suas terras por herança, fez habitar em suas tendas as tribos de Israel.
56 Contudo, tentaram e provocaram o Deus Altíssimo, e não guardaram os seus testemunhos.
57 Mas tornaram atrás, e portaram-se aleivosamente como seus pais; desviaram-se como um arco traiçoeiro.
58 Pois o provocaram à ira com os seus altos, e o incitaram a zelos com as suas imagens esculpidas.
59 Ao ouvir isso, Deus se indignou, e sobremodo abominou a Israel.
60 Pelo que desamparou o tabernáculo em Siló, a tenda da sua morada entre os homens,
61 dando a sua força ao cativeiro, e a sua glória à mão do inimigo.
62 Entregou o seu povo à espada, e encolerizou-se contra a sua herança.
63 Aos seus mancebos o fogo devorou, e suas donzelas não tiveram cântico nupcial.
64 Os seus sacerdotes caíram à espada, e suas viúvas não fizeram pranto.
65 Então, o Senhor despertou como dum sono, como um valente que o vinho excitasse.
66 E fez recuar a golpes os seus adversários; infligiu-lhes eterna ignomínia.
67 Além disso, rejeitou a tenda de José, e não escolheu a tribo de Efraim;
68 antes escolheu a tribo de Judá, o monte Sião, que ele amava.
69 Edificou o seu santuário como os lugares elevados, como a terra que fundou para sempre.
70 Também escolheu a Davi, seu servo, e o tirou dos apriscos das ovelhas;
71 de após as ovelhas e suas crias o trouxe, para apascentar a Jacó, seu povo, e a Israel, sua herança.
72 E ele os apascentou, segundo a integridade do seu coração, e os guiou com a perícia de suas mãos.


Este salmo é mais um atribuído a Asafe.

Vamos dividir esta mensagem em 5 semanas. Seguiremos uma divisão que pode ser notada no próprio salmo:

1) Introdução (01/05/08);
2) Soberania de Deus sobre a Natureza (08/05/08);
3) Vitórias de Deus sobre os Egípcios incrédulos (15/05/08);
4) Punição de infiéis (hoje);
5) Conclusão.

Como "punição de infiéis" neste salmo, podemos escrever:

O povo, no Egito, clamava por libertação. Quando esta veio, tiveram medo do que encontraram na terra prometida e por conta da dúvida do cuidado do Senhor, caminharam no deserto. Foram supridos em suas necessidades básicas, mas ainda assim, reclamavam. Quando tomaram posse da terra, poderiam ainda reclamar ou até mesmo deixar de realizar a vontade do Senhor.

Diante da falta de compromisso com o Senhor, vemos o salmo declarando muitas coisas ruins que aconteceram com o povo. Foi por infidelidade, por falta de compromisso. Não por falta de amor da parte do Senhor, mas por Sua justiça. Ele havia deixado claro que o acordo envolvida duas partes e não só Ele. O povo precisava observar a vontade do Senhor e assim, teria grandes bênçãos. Mas se deixasse a vontade do Senhor, a lista de problemas é até maior que a lista de bênçãos (Deuteronômio 28). O Senhor cumpre com Sua palavra, senão vira mentiroso!

Muitas vezes o Senhor cuidou do povo e ainda assim, esse povo não seguiu Sua vontade. Muitas vezes deu livramento, cuidou, amparou, mas a falta de compromisso era real.

Assim, muitas coisas ruins aconteceram. Conhecemos a história: mortes, exílio, destruição...

Não devemos nos enganar: não pense que porque quem hoje faz coisas erradas acaba se dando bem que será assim a vida toda! E sem contar com a eternidade!

O cuidado do Senhor em cumprir Sua palavra vale para a bênção e para a maldição. Em Jesus, somos abençoados e Ele levou no madeiro a maldição que pesava contra nós. Nele, somos livres da morte, ainda que fisicamente sejamos atormentados por ela, a morte não será eterna. Precisamos tomar cuidado com isso, com a eternidade. Em Jesus, somos lavados por Seu sangue de nossos pecados e somos justificados, pela fé! Mas quando não vivemos com temor o chamado do Senhor, quando negamos, não aceitamos ao Senhor ou vivemos de forma errada a vida cristã, ainda que pareça que há alguma facilidade, as dificuldades podem ser eternas. Enquanto que com o Senhor, obedecendo Sua vontade, ainda que as dificuldades se apresentem hoje, temos a eternidade para desfrutar com Ele.

Não se engane: Deus não é mal, cruel ou qualquer coisa do tipo! Mas Ele é justo e vela por Sua palavra. Vai cumprir o que lá está escrito. Quer para bênção ou maldição...

 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 22/05/08 por e-mail.