Conhecer e Anunciar...

11/12/2012

 

Atos dos Apóstolos 28.23-29

23 Havendo-lhe eles marcado um dia, muitos foram ter com ele à sua morada, aos quais desde a manhã até a noite explicava com bom testemunho o reino de Deus e procurava persuadí-los acerca de Jesus, tanto pela lei de Moisés como pelos profetas.
24 Uns criam nas suas palavras, mas outros as rejeitavam.
25 E estando discordes entre si, retiraram-se, havendo Paulo dito esta palavra: Bem falou o Espírito Santo aos vossos pais pelo profeta Isaías,
26 dizendo: Vai a este povo e dize: Ouvindo, ouvireis, e de maneira nenhuma entendereis; e vendo, vereis, e de maneira nenhuma percebereis.
27 Porque o coração deste povo se endureceu, e com os ouvidos ouviram tardamente, e fecharam os olhos; para que não vejam com os olhos, nem ouçam com os ouvidos, nem entendam com o coração, nem se convertam e eu os cure.
28 Seja-vos, pois, notório que esta salvação de Deus é enviada aos gentios e eles ouvirão.
29 E, havendo ele dito isto, partiram os judeus, tendo entre si grande contenda.


Na mensagem passada, Paulo queria apresentar sua versão dos fatos aos judeus de Roma. Aí, ele ficou sabendo que os judeus de Roma já tinham ouvido falar que a mensagem do Evangelho estava alcançando êxito, mas eles ainda entendiam essa mensagem como parte de uma seita. E queriam ouvir de Paulo sobre essa mensagem.

Essa foi a chance dada pelo Senhor para que Paulo pudesse argumentar primeiro com os judeus, como era o costume. A demonstração de que a mensagem era apresentada aos judeus e estes não aceitavam totalmente, considerando como heresia o que era pregado, e a definição que então a mesma seria pregada aos gentios, era clara em cada novo local onde a mensagem era pregada com a presença de judeus. Primeiros, eram esses que tinham a chance de aceitar a mensagem e depois, ela era pregada aos demais. E os judeus foram para a casa de Paulo, pois ele era um preso, talvez de uma forma diferente de prisão, mas ainda assim um preso. Sempre ele ia na sinagoga nas cidades por onde passava e falava da mensagem ali, antes de ir para os demais locais pregar. Mas agora ele recebe a visita, já que mesmo tendo condição diferenciada, ainda assim ele era um preso.

Paulo não argumenta simplesmente "é isso e acabou". Ele fala desde a Lei, Moisés, Profetas, faz uma apresentação da mensagem como um todo, mostrando que a profecia se cumpria em Jesus. Foi um grande estudo bíblico! Diz o texto que alguns aceitavam, que outros não aceitavam e no final, Paulo cita Isaías 6.9-10 para deixar claro que a própria profecia dava conta da necessidade de falar primeiro aos judeus, mas que nem todos aceitariam essa mensagem. E agora, dada a chance primeiro aos judeus, Paulo vai falar aos gentios, sempre que puder, sobre a mensagem de Salvação.

Paulo fazia dessa forma e não era apenas ele: ir primeiro falar com os judeus. Primeiro, porque ele era judeu! Segundo, porque a mensagem era para todos, mas Jesus veio para os que eram seus (os judeus) e esses não o receberam. Assim, de certa forma, era uma maneira de manter o que aconteceu originalmente: dar a chance aos judeus e depois, ir para todos, os gentios. Por fim, porque o Cristianismo ainda era um movimento dentro do Judaísmo, não era uma "religião" separada. Acreditava-se que o Judaísmo mudaria e aceitaria a Jesus, e permitiria que os gentios fossem alcançados, mas a separação entre as "religiões" se mostrou necessária.

Que possamos, como Paulo, discernir a vontade do Senhor. E mais que isso, que estejamos prontos a realizar essa vontade, mesmo que para isso sejamos presos! Ou algo que possa ser comparado com isso. Algo que pareça ruim aos olhos das outras pessoas, mas que nós sabemos que há plano do Senhor e que temos que passar por isso. E que possamos apresentar a mensagem do Evangelho com sabedoria, com conhecimento da história e das profecias, para que as pessoas possam entender de fato. É claro que o Espírito Santo faz a obra e mesmo que digamos "Jesus te ama", algo já pode acontecer! Mas é importante que saibamos a história e as profecias, e que tenhamos o cuidado de anunciar como as coisas são, para pregar a mensagem genuína do Evangelho para todos!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 11/12/12 por e-mail.