Discernindo no correr dos dias

23/10/2012

 

Atos dos Apóstolos 27.1-8

1 E, como se determinou que navegássemos para a Itália, entregaram Paulo e alguns outros presos a um centurião por nome Júlio, da corte augusta.
2 E, embarcando em um navio adramitino, que estava prestes a navegar em demanda dos portos pela costa da Ásia, fizemo-nos ao mar, estando conosco Aristarco, macedônio de Tessalônica.
3 No dia seguinte, chegamos a Sidom, e Júlio, tratando Paulo com bondade, permitiu-lhe ir ver os amigos e receber deles os cuidados necessários.
4 Partindo dali, fomos navegando a sotavento de Chipre.
5 Tendo atravessado o mar ao longo da Cilícia e Panfília, chegamos a Mirra, na Lícia.
6 Ali o centurião achou um navio de Alexandria que navegava para a Itália e nos fez embarcar nele.
7 Navegando vagarosamente por muitos dias e havendo chegado com dificuldade defronte de Cnido, não nos permitindo o vento ir mais adiante, navegamos a sotavento de Creta, à altura de Salmona;
8 e, costeando-a com dificuldade, chegamos a um lugar chamado Bons Portos, perto do qual estava a cidade de Laséia.


O texto de hoje nos fala sobre o começo da viagem de Paulo para Roma. Apresenta detalhes que nos mostram que Lucas, o autor desse livro da Bíblia (que escreveu para Teófilo - Atos dos Apóstolos 1.1 - conferir com Lucas 1.1-4) estava na viagem! Assim, ele teria sido testemunha desse evento. O texto apresenta detalhes que podem ser questionados do ponto de vista histórico, se realmente as viagens eram por essas rotas normalmente e os estudiosos sempre entendem que está tudo em ordem. Logo, a narrativa mostra a respectiva viagem de Paulo.

Nessa parte da viagem, já acontecem alguns contratempos do ponto de vista da navegação. E mesmo assim, eles conseguiam completar o caminho, mostrando o cuidado do Senhor. Muitas vezes contratempos acontecem e algumas pessoas interpretam como manifestação de posição contrária da parte do Senhor ao que está sendo feito! Muitas vezes pode ser, mas há vezes que um contratempo mostra que o Senhor está cuidando de tudo, mesmo no meio da dificuldade, e o que devemos é insistir; se não for possível na mesma hora, logo que seja. Além desses pequenos problemas de navegação, podemos destacar que Paulo era realmente um preso diferente: conseguiu até mesmo liberação em um local para ser cuidado por amigos! Foi como uma espécie de "indulto", que em nossos dias são dados a muitos presos em datas tidas como especiais, e eles nem voltam. Mas Paulo era diferente e logo seguiu viagem. Ele sabia o que tinha que fazer: ir para Roma. Que possamos, como Paulo, discernir as dificuldades que se apresentam para mudarmos o caminho e as dificuldades que se apresentam apenas para mostrar que o Senhor cuida de nós mesmo no meio da dificuldade. Que tenhamos a ousadia de seguir quando for para seguir e mudar o caminho, quando for o caso. Que possamos ser diferentes diante da sociedade, mesmo nos momentos mais delicados, mostrando que somos servos do Senhor e queremos fazer o que é certo para louvar e engrandecer ao Senhor e Seu Nome!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 23/10/12 por e-mail.