Somos chamados para o novo na casa do Oleiro

30/05/2012



Jeremias 18.1-6

1 A palavra que veio do Senhor a Jeremias, dizendo:
2 Levanta-te, e desce à casa do oleiro, e lá te farei ouvir as minhas palavras.
3 Desci, pois, à casa do oleiro, e eis que ele estava ocupado com a sua obra sobre as rodas.
4 Como o vaso que ele fazia de barro se estragou na mão do oleiro, tornou a fazer dele outro vaso, conforme pareceu bem aos seus olhos fazer.
5 Então, veio a mim a palavra do Senhor:
6 Não poderei eu fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel? Diz o Senhor. Eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel.

Muitas vezes pensamos nessa passagem, quer por ouvir uma pregação, quer por ouvir uma canção ou apenas por ter na lembrança. Jeremias é chamado para ir até a Casa do Oleiro e lá ouvir o que o Senhor tem para dizer. Ficamos muito na questão do que acontece lá na casa do oleiro e deixamos de lado essa parte do texto: para ouvir o que o Senhor tinha para dizer, Jeremias primeiro devia obedecer, ir para a casa do Oleiro.

Não vou descartar o que acontece lá, nem posso achar que não é importante! Mas se Jeremias não entendesse que devia ir até a casa do Oleiro, poderia não ouvir o recado de Deus! Afinal, a primeira observação foi: "Dispõe-te, e desce à casa do oleiro, e lá ouvirás minhas palavras".

Queremos que o Senhor molde em nós algo novo ou nos dê algo novo para viver e devemos querer mesmo! É importante que o erro, o quebrado, o estragado, seja renovado pelo Senhor. Não remendado ou apenas colado, mas feito novo, como acontece com o barro ao ser moldado: se algo sai do controle e não fica bem feito, não é tentando dar um jeitinho que vai resolver! É preciso começar de novo, fazer com o mesmo barro (no caso, ilustrando a nossa vida), um vaso novo!

Isso vale para a nossa vida, para relacionamentos, trabalho, estudos, absolutamente tudo! Mas principalmente para a forma como vemos e encaramos as coisas da vida. O Senhor quer nos fazer novos diante das experiências, nos dando chance de ser um vaso novo mesmo e não apenas remendado. Não iremos "esquecer" o que aconteceu, mas o ânimo da parte do Senhor irá nos renovar. Não é para sermos remendados ou ajeitados diante das coisas: no Senhor, temos novidade de vida, vemos o novo e precisamos experimentar isso para que nossa caminhada seja completamente restaurada e revigorada.

Agora... é preciso ir até a casa do Oleiro... Não vou dizer que precisamos ir para a Igreja, simplesmente. Podemos estar nela todos os dias e ainda assim não estar na casa do Oleiro. A questão não é meramente local fisico, mas uma disposição na presença do Senhor. Uma disposição de ser como o barro nas mãos do oleiro. E se o vaso desandar, o oleiro deve recomeçar a fazer, com o mesmo barro.

Nessa disposição, o Senhor é o oleiro e nós somos o barro para fazer o vaso. A diferença é que o barro propriamente dito não pode dizer "quero ou não quero" para o que o oleiro vai fazer. Nós temos a liberdade de escolher. Por isso destaco a necessidade de ir até a casa do Oleiro: primeiro, como foi com Jeremias, como uma postura de obediência. Segundo, para ouvir o que o Senhor tem a nos dizer. E por fim, para sermos moldados como um vaso de barro e, em vez de termos apenas remendos ou colagens, deixar o Senhor agir como o oleiro e nos fazer de novo.

Não devemos buscar o remendo, o ajuste, a colagem... para os brasileiros pode ser difícil, mas não devemos buscar o "jeitinho"... Não quer dizer que sempre iremos mudar as coisas, mas nós mesmo precisamos ser mudados, com novo ânimo e fôlego. Em vez de dar um jeitinho em algo, precisamos deixar o Senhor fazer o novo em nós. Não apenas com uma coisa nova, mas até mesmo com a "coisa velha", mas ela também sendo como o barro nas mãos do oleiro! Sem pequenos ajustes, jeitinho, mas sendo algo novo, sendo feito de novo. E, claro, há o que precisa ser abandonado por algo novo mesmo. Nos dois casos, refazer (e não apenas ajeitar) ou ter algo totalmente novo, tem que ser na casa do Oleiro, na presença do Senhor, deixando Ele fazer o melhor e não "dando palpite" que dá pra acertar uma coisinha aqui ou ali. Não aceite menos que o novo do Senhor na sua vida! Viva esse novo, na casa do Oleiro!
 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 30/05/12 por e-mail.