Confiante...

29/05/2012

 

Atos dos Apóstolos 24.10-21

10 Paulo, tendo-lhe o governador feito sinal que falasse, respondeu: Porquanto sei que há muitos anos és juiz sobre esta nação, com bom ânimo faço a minha defesa,
11 pois bem podes verificar que não há mais de doze dias subi a Jerusalém para adorar,
12 e que não me acharam no templo discutindo com alguém nem amotinando o povo, quer nas sinagogas quer na cidade.
13 Nem te podem provar as coisas de que agora me acusam.
14 Mas confesso-te que, seguindo o Caminho, a que eles chamam seita, assim sirvo ao Deus de nossos pais, crendo tudo quanto está escrito na lei e nos profetas.
15 Tendo esperança em Deus, como estes mesmos também esperam, de que há de haver ressurreição tanto dos justos como dos injustos.
16 Por isso procuro sempre ter uma consciência sem ofensas diante de Deus e dos homens.
17 Vários anos depois vim trazer à minha nação esmolas e ofertas.
18 Ocupado nestas coisas, me acharam já santificado no templo não em ajuntamento, nem com tumulto, alguns judeus da Ásia,
19 os quais deviam comparecer diante de ti e acusar-me se tivessem alguma coisa contra mim;
20 ou estes mesmos digam que iniquidade acharam, quando compareci perante o sinédrio,
21 a não ser acerca desta única palavra que, estando no meio deles, bradei: Por causa da ressurreição dos mortos é que hoje estou sendo julgado por vós.

Paulo agora apresenta sua defesa. É tempo de mostrar o que estava acontecendo, sem as paixões que a conversa levantava nas demais pessoas. E ele faz essa apresentação, sem descuidar da atenção para com a autoridade ali posta, sem descuidar de apresentar o que aconteceu, sem descuidar do assunto mesmo.

Era hora de mostrar que o assunto não era bem como era apresentado, era a chance de apresentar os fatos. Quantas vezes uma conversa acaba porque a outra pessoa só quer ver os seus pontos e está satisfeita com aquele momento da conversa, mas esse papo poderia evoluir e mostrar que a visão pode ser alterada, pode ser mostrado tanto para uma parte como para a outra que o tema é mais amplo do que cada parte está vendo. E sempre o lado que ainda entende que tem o que falar se sente prejudicado por ter que se calar.

Que possamos saber o momento de falar e que possamos dar as outras pessoas a chance de falar. É muito importante poder apresentar o que sentiu e viu, quem sabe para poder ir além e crescer, podendo deixar aquela situação de lado, ou para que a outra parte possa ver que há mais do que ela vê naquela situação. Não fique apenas com uma apresentação dos fatos, quando é possível ter mais de uma! Saiba ouvir as partes, avaliar o conteúdo e ajudar mesmo. Quando é com a gente, queremos que os outros nos permitam essa chance, não é mesmo? Então, mesmo que não seja dado a nós sempre, que possamos dar aos outros a chance de apresentar sua versão dos fatos e quem sabe, ajudar a pessoa a entender que não é bem assim ou até mesmo mudar o rumo de um entendimento.

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 29/05/12 por e-mail.