O Senhor prepara tudo

27/03/2012

 

Atos dos Apóstolos 23.12-25

12 Quando já era dia, coligaram-se os judeus e juraram sob pena de maldição que não comeriam nem beberiam enquanto não matassem a Paulo.
13 Eram mais de quarenta os que fizeram esta conjuração;
14 e estes foram ter com os principais sacerdotes e anciãos, e disseram: Conjuramo-nos sob pena de maldição a não provarmos coisa alguma até que matemos a Paulo.
15 Agora, pois, vós, com o sinédrio, rogai ao comandante que o mande descer perante vós como se houvésseis de examinar com mais precisão a sua causa; e nós estamos prontos para matá-lo antes que ele chegue.
16 Mas o filho da irmã de Paulo, tendo sabido da cilada, foi, entrou na fortaleza e avisou a Paulo.
17 Chamando Paulo um dos centuriões, disse: Leva este moço ao comandante, porque tem alguma coisa que lhe comunicar.
18 Tomando-o ele, pois, levou-o ao comandante e disse: O preso Paulo, chamando-me, pediu-me que trouxesse à tua presença este moço, que tem alguma coisa a dizer-te.
19 O comandante tomou-o pela mão e, retirando-se à parte, perguntou-lhe em particular: Que é que tens a contar-me?
20 Disse ele: Os judeus combinaram rogar-te que amanhã mandes Paulo descer ao sinédrio, como que tendo de inquirir com mais precisão algo a seu respeito.
21 Tu, pois, não te deixes persuadir por eles; porque mais de quarenta homens dentre eles armaram ciladas, os quais juraram sob pena de maldição não comerem nem beberem até que o tenham morto; e agora estão aprestados, esperando a tua promessa.
22 Então, o comandante despediu o moço, ordenando-lhe que a ninguém dissesse que lhe havia contado aquilo.
23 Chamando dois centuriões, disse: Aprontai para a terceira hora da noite duzentos soldados de infantaria, setenta de cavalaria e duzentos lanceiros para irem até Cesaréia.
24 E mandou que aparelhassem cavalgaduras para que Paulo montasse, a fim de o levarem salvo ao governador Félix.
25 E escreveu-lhe uma carta nestes termos:

Quando Paulo testemunhou em Jerusalém, nós vimos que alguns entenderam a mensagem, mas outros ainda queriam dar cabo da vida dele. Esse grupo se une e até mesmo faz um "pacto", envolvendo o sinédrio, esperando que este solicite a presença de Paulo para avaliar o seu caso com mais cuidado e, antes que isso acontecesse, uma "emboscada" resolveria o problema, na opinião deles, com a morte de Paulo. Mas o aviso chega ao comandante que prepara algo diferente.

Quando testemunhamos em o Nome do Senhor, alguns entendem, outros não entendem, e até levantam suspeitas a nosso respeito. Podemos passar por perseguição! Mas não podemos perder de vista que o plano do Senhor é que será cumprido. E se for necessário que passemos por dificuldades as mais diversas para que algo seja testemunhado, passamos por isso e somos levados a esse testemunho. E no devido tempo o Senhor mesmo prepara todas as coisas para que sigamos fazendo Sua vontade. Para isso, precisamos seguir fazendo a vontade do Senhor a cada momento. Precisamos conhecer, nos preparar e realizar o querer do Senhor.

Essa situação armada contra Paulo desenha mais ainda sua ida para Roma. Afinal, como cidadão romano, ele teria o cuidado do aparato do Estado para, protegido, receber um julgamento entendido como justo. Na mensagem da semana que vem, permitindo o Senhor, iremos comentar sobre o conteúdo dessa carta que é citada no final do texto de hoje. Mas não esqueçamos de viver de acordo com a vontade do Senhor, ainda que as dificuldades se levantem, se estivermos vivendo de acordo com o querer do Senhor, iremos testemunhar e a obra será realizada de acordo com o querer do Senhor e não de acordo com a vontade de qualquer ser humano, que poderá até achar que tem força ou poder para lutar contra nós, mas se estivermos fazendo o querer do Senhor, a luta é com Ele e, como foi com Paulo, ainda que em dificuldade humanamente falando, os planos do Senhor se cumpriram. E assim será em nossa vida. Deixa o Senhor agir e faça as coisas de acordo com o querer Dele!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 27/03/12 por e-mail.