Paulo é preso

07/02/2012

 

Atos dos Apóstolos 21.27-40

27 Mas quando os sete dias estavam quase a terminar, os judeus da Ásia, tendo-o visto no templo, alvoroçaram todo o povo e agarraram-no,
28 clamando: Varões israelitas, acudi; este é o homem que por toda parte ensina a todos contra o povo, contra a lei e contra este lugar; e ainda, além disso, introduziu gregos no templo, e tem profanado este santo lugar.
29 Antes tinham visto com ele na cidade a Trófimo, de Éfeso, e pensavam que Paulo o introduzira no templo.
30 Alvoroçou-se toda a cidade e houve ajuntamento do povo; e agarrando a Paulo, arrastaram-no para fora do templo, e logo as portas se fecharam.
31 E, procurando eles matá-lo, chegou ao comandante da corte o aviso de que Jerusalém estava toda em confusão;
32 o qual, tomando logo consigo soldados e centuriões, correu para eles; e quando viram o comandante e os soldados, cessaram de espancar a Paulo.
33 Então, aproximando-se o comandante, prendeu-o e mandou que fosse acorrentado com duas cadeias, e perguntou quem era e o que tinha feito.
34 E na multidão uns gritavam de um modo, outros de outro; mas, não podendo por causa do alvoroço saber a verdade, mandou conduzi-lo à fortaleza.
35 E sucedeu que, chegando às escadas, foi ele carregado pelos soldados por causa da violência da turba.
36 Pois a multidão o seguia, clamando: Mata-o!
37 Quando estava para ser introduzido na fortaleza, disse Paulo ao comandante: É-me permitido dizer-te alguma coisa? Respondeu ele: Sabes o grego?
38 Não és porventura o egípcio que há poucos dias fez uma sedição e levou ao deserto os quatro mil sicários?
39 Mas Paulo lhe disse: Eu sou judeu, natural de Tarso, cidade não insignificante da Cilícia; rogo-te que me permitas falar ao povo.
40 E, havendo-lho permitido o comandante, Paulo, em pé na escada, fez sinal ao povo com a mão; e, feito grande silêncio, falou em língua hebraica.

Paulo sabia que algo aconteceria em Jerusalém. E ia para lá convicto do que tinha que fazer e passar. Quando os irmãos que ele encontrou pelo caminho até Jerusalém tentaram tirar dele a ideia de seguir para lá, Paulo afirmava que deveria ir. Ele sabia o que o esperava e sabia que o Senhor tinha um plano no meio daquilo tudo.

Assim, chegou o dia. Muitos estavam chateados com Paulo por conta de seu ministério entre os gentios. Ainda se achava que o cristianismo era apenas um grupo de pessoas que seguiam os ensinamentos judeus de forma diferenciada e que aceitavam outras pessoas que não eram parte do povo judeu. E assim, entendia-se entre os judeus mais ortodoxos que Paulo seria um herege que deveria ser preso e até morto, por fazer um mal ao judaísmo, por pregar de forma errada, por ser herege.

Paulo sofre na mão de um povo enfurecido. E quando é preso, ainda quer falar com esse povo. Isso porque ele sabia que tinha algumas coisas para fazer em o Nome do Senhor diante daquele quadro. Quantos de nós teria ânimo para falar ao mesmo povo que ainda estaria gritando o seu desejo de morte, da nossa morte? Mas Paulo sabia que tinha o que fazer. E assim, ele começa esse trabalho que tinha para fazer ali. E nos ensina que, mesmo no meio da adversidade, quando o Senhor tem um plano, devemos nos dedicar para realizar a vontade do Senhor. Muitos entendem que adversidade é sinal de pecado ou falta de fé. Muitos apenas falam das coisas boas e se esquecem que TODAS as coisas colaboram para o bem daqueles que amam a Deus, até mesmo a adversidade! E que devemos realizar a vontade do Senhor em todo tempo. Assim, que possamos como Paulo nos preparar para todos os momentos: tanto aqueles que parecem bons aos nossos olhos, como aqueles que não parecem tão bons assim, mas sabendo que quando amamos ao Senhor, Ele tem seu propósito em cada situação. Que possamos dar testemunho do agir do Senhor em todo o tempo e em todas as circunstâncias!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 07/02/12 por e-mail.