Seguir convicto do que se deve fazer

10/01/2012

 

Atos dos Apóstolos 21.7-16

7 Concluída a nossa viagem de Tiro, chegamos a Ptolemaida; e, havendo saudado os irmãos, passamos um dia com eles.
8 Partindo no dia seguinte, fomos a Cesaréia; e entrando em casa de Filipe, o evangelista, que era um dos sete, ficamos com ele.
9 Tinha este quatro filhas virgens que profetizavam.
10 Demorando-nos ali por muitos dias, desceu da Judéia um profeta, de nome Ágabo;
11 e vindo ter conosco, tomou a cinta de Paulo e, ligando os seus próprios pés e mãos, disse: Isto diz o Espírito Santo: Assim os judeus ligarão em Jerusalém o homem a quem pertence esta cinta, e o entregarão nas mãos dos gentios.
12 Quando ouvimos isto, rogamos-lhe, tanto nós como os daquele lugar, que não subisse a Jerusalém.
13 Então, Paulo respondeu: Que fazeis chorando e magoando-me o coração? Porque eu estou pronto não só a ser ligado, mas ainda a morrer em Jerusalém pelo nome do Senhor Jesus.
14 E, como não se deixasse persuadir, dissemos: Faça-se a vontade do Senhor; e calamo-nos.
15 Depois destes dias, havendo feito os preparativos, fomos subindo a Jerusalém.
16 E foram também conosco alguns discípulos de Cesaréia, levando consigo um certo Mnason, cíprio, discípulo antigo, com quem nos havíamos de hospedar.

Em Atos dos Apóstolos, em outros momentos, lemos que Paulo "fugiu" de determinado lugar, também lemos que ele "evitou" determinados lugares para evitar mais problemas e perseguições... Mas neste momento, Paulo está decidido. Cada revelação e pedido dos irmãos apenas confirma o que o Senhor já tinha revelado para ele e, mesmo diante da insistência de que ele não fosse para Jerusalém, Paulo sabia que deveria, que era tempo.

As revelações que estavam sendo dadas a cada um eram confirmações para Paulo do que deveria acontecer. Mas as outras pessoas não recebiam essa revelação da mesma forma que Paulo. Ele estava convicto e os demais, queriam tirar da cabeça dele o desejo de ir para Jerusalém. A revelação não era contraditória: o que iria acontecer, tanto Paulo como os demais irmãos estavam entendendo. Mas Paulo tinha o consolo do Senhor e sabia que deveria fazer aquela viagem. Os outros, ficavam com a revelação e temiam pela vida de Paulo. Mas Paulo sabia que o propósito do Senhor estava por se cumprir.

Algumas vezes podemos ser avisados pelo Senhor para evitarmos algo. Outras, podemos ser avisados apenas para sabermos o que nos espera. É preciso discernimento e "sintonia fina" para entender o querer do Senhor. Nem sempre será para enfrentarmos, mas haverá momentos que deveremos enfrentar, mesmo sabendo que não é "algo agradável". Porque nossa vida está nas mãos do Senhor e o testemunho que temos para dar será para exaltar o Nome do Senhor. Ainda que pareça aos nossos olhos "algo ruim", se é a vontade do Senhor, o propósito será cumprido e o Nome do Senhor será glorificado. Que Ele nos inspire para entendermos como devemos agir diante das situações e que Ele nos dê força para que possamos fazer sempre a Sua vontade!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 10/01/12 por e-mail.