Dedicação

22/12/2011


Esdras 6.16-18


16 E os filhos de Israel, os sacerdotes e os levitas, e o resto dos filhos do cativeiro fizeram a dedicação desta casa de Deus com alegria.
17 Ofereceram para a dedicação desta casa de Deus cem novilhos, duzentos carneiros e quatrocentos cordeiros; e como oferta pelo pecado por todo o Israel, doze bodes, segundo o número das tribos de Israel.
18 E puseram os sacerdotes nas suas divisões e os levitas nas suas turmas, para o serviço de Deus em Jerusalém, conforme o que está escrito no livro de Moisés.


O povo voltou do Exílio, começou a obra de reconstrução, e como sabemos, o Templo não seguiu a mesma velocidade do restante da reconstrução da cidade. Muitas atividades cúlticas já aconteciam nas ruínas do templo, alguns reparos, mas a reconstrução demorou um pouco mais. E quando estava caminhando, ainda houve uma tentativa de parar aquela obra (afinal, o templo era centro religioso, mas também político e o terminar dessa obra traria definitiva organização para o povo como Nação, e alguns não queriam isso), que foi frustrada para quem tentou e abençoada para quem trabalhava, pois foi por conta do questionamento que se descobriu que havia mais para ser dado por parte de quem autorizou a volta e a reconstrução. E com isso, a obra foi encerrada com mais cuidado ainda!

Como a desobediência levou ao Exílio, o povo estava preocupado em fazer o que o Livro da Lei dizia com muito cuidado. Mas tinha que ser mais que "medo" ou mera aparência. Era necessário crer e viver o que aquela mensagem divulgava, pois além do testemunho com as atitudes, o Senhor sonda os corações e sabe o alcance de tal empenho. E o salmista já sabia que a questão não era meramente fazer os sacrifícios previstos na Lei, mas ter um coração contrito e quebrantado na presença do Senhor.

Este era o momento da dedicação. Muita coisa já tinha acontecido, o povo tinha passado por muitas situações depois do retorno e agora era momento de celebrar ao Senhor, dedicando o Templo. Hoje, somos convidados pelo Senhor a dedicar o templo que é nossa vida a Ele. Passamos por muitas situações, complicações ou coisas muito boas, e em tudo precisamos reconhecer o cuidado do Senhor, nos orientando, nos chamando ao desafio da confiança, permitindo que possamos dar testemunho de livramentos ou até mesmo de solução de problemas os mais variados. E, claro, dedicar a Ele o templo que é nossa vida, para que Ele possa agir em nós e através de nós, impactando outras pessoas com a mensagem de salvação.

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 22/12/11 por e-mail.