Testemunho

13/12/2011

 

Atos dos Apóstolos 20.17-35

17 De Mileto, mandou a Éfeso chamar os anciãos da igreja.
18 E, tendo eles chegado, disse-lhes: Vós bem sabeis de que modo me tenho portado entre vós sempre, desde o primeiro dia em que entrei na Ásia,
19 servindo ao Senhor com toda a humildade, com lágrimas e provações que pelas ciladas dos judeus me sobrevieram;
20 como não me esquivei de vos anunciar coisa alguma que útil seja, ensinando-vos publicamente e de casa em casa,
21 testificando, tanto a judeus como a gregos, o arrependimento para com Deus e a fé em nosso Senhor Jesus.
22 Agora, eis que eu, constrangido no meu espírito, vou a Jerusalém, não sabendo o que ali acontecerá,
23 senão o que o Espírito Santo me testifica, de cidade em cidade, dizendo que me esperam prisões e tribulações,
24 mas em nada tenho a minha vida como preciosa para mim, contando que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus.
25 Agora, eu sei que nenhum de vós, por entre os quais passei pregando o reino de Deus, jamais tornará a ver o meu rosto.
26 Portanto, no dia de hoje, vos protesto que estou limpo do sangue de todos.
27 Porque não me esquivei de vos anunciar todo o conselho de Deus.
28 Cuidai, pois, de vós mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele adquiriu com seu próprio sangue.
29 Eu sei que depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis que não pouparão rebanho,
30 e que dentre vós mesmos se levantarão homens falando coisas perversas para atrair os discípulos após si.
31 Portanto, vigiai, lembrando-vos de que por três anos não cessei noite e dia de admoestar com lágrimas a cada um de vós.
32 Agora, pois, vos encomendo a Deus e à palavra da sua graça, àquele que é poderoso para vos edificar e dar herança entre todos os que são santificados.
33 De ninguém cobicei prata, nem ouro, nem vestes.
34 Vós mesmos sabeis que estas mãos proveram as minhas necessidades e as dos que estavam comigo.
35 Em tudo vos dei o exemplo de que, trabalhando assim, é necessário socorrer os enfermos, recordando as palavras do Senhor Jesus, porquanto ele mesmo disse: Coisa mais bem-aventurada é dar do que receber.

Em meditação anterior, vimos Paulo evitando um caminho para não ter problemas extras. Agora, ele deixa claro que o Espírito está confirmando que ele deve ir para Jerusalém, mesmo que aqueles para quem ele falava naquele momento não viessem mais a ver o seu rosto. Ele sabia o que o esperava. E estava pronto. Agora não era hora de evitar problemas extras, que não iriam dar testemunho do que ele pregava. Mas era momento de testemunhar mesmo que numa prisão.

Paulo tenta animar e alertar aqueles para quem pregou. Deixa claro que sabe que pregou o que deveria ser pregado e que cada um já teria condições de seguir na jornada cristã. Ele alerta que outros poderiam vir com uma mensagem que poderia parecer certa, mas era errada. Ou quem sabe uma mensagem completamente deturpada. Se há quem acredita em uma mensagem completamente deturpada, imagina quando alguém fala algumas coisas que estão certas e outras que, mesmo erradas, até parecem fazer sentido... E ainda alerta que mesmo no meio deles alguém poderia se levantar e causar problemas.

Aprendemos neste texto que precisamos ficar prontos para realizar a vontade do Senhor, quer pregando, quer até mesmo indo para a prisão (por pregar o Evangelho, claro, e não por um delito propriamente dito). Além disso, aprendemos que precisamos tomar cuidado com a pregação do Evangelho por onde o Senhor nos enviar a pregar, para que as pessoas possam realmente entender o "recado" da parte do Senhor para elas. E tomar cuidado com aqueles que falam coisas que parecem certas e que, na verdade, estão desviando muitos da mensagem do Evangelho. Claro que temos que tomar cuidado para que não sejamos nós mesmos a pregar algo errado, sem coerência com a Palavra. Algo completamente fora da mensagem pode ser identificado mais facilmente, mas algo que tenha um "erro sutil" pode causar estrago antes de ser identificado. Que o Espírito Santo nos prepare para pregar o Evangelho, dizendo tudo o que o Senhor quer que seja dito, e que nos capacite a entender e fugir de quem não prega a mensagem correta!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 13/12/11 por e-mail.