O que precisamos observar na oração?

24/10/2011

 

Oramos e aguardamos que algo aconteça. Sempre que oramos, no mínimo, queremos sentir a presença do Senhor, sentir um aconchego, uma paz, quando não aguardamos uma resposta a respeito de uma inquietação.

Durante cinco semanas escrevi sobre alguns aspectos que devemos observar para que nossa oração seja atendida.

Continuo insistindo: o que escrevemos não está ordem de importância (até porque não vemos ordem de importância nestas observações), mas são pontos que devemos observar em nossas orações.

Iniciamos um novo momento dentro do desenvolvimento da mesma mensagem, agora escrevendo algumas atitudes que podem nos atrapalhar em nossas orações. Já escrevemos sobre a necessidade de:

1) sermos sinceros diante do Senhor em nossa oração, não fazendo isso apenas para mostrar para outros aparência de espiritualidade;

2) tomarmos cuidado em sermos objetivos em nossas orações, para que as mesmas não sejam grandes demais, não no sentido de longos períodos de oração, mas no sentido de usar as palavras realmente necessárias e não apenas bonitas para impressionar;

3) tomarmos cuidado com nossa vida diante de Deus, fugindo do pecado, abandonando essa prática, e buscando o perdão do Senhor caso venhamos a cometer algum pecado.

Hoje, escrevemos sobre outro ponto que pode atrapalhar no processo de nossa oração e sua resposta, encerrando essa parte. Não esgotamos o tema, temos certeza. Mas, observando o que foi escrito até aqui, vamos avançar em nossa prática de oração:

Sede misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso - Lucas 6.36

Quando pensamos em uma vida de santidade, pensamos em fugir do pecado que tanto desagrada ao Senhor. Isso é de fato importante. Mas, será que o pecado está apenas em fazer algo conta o Senhor? Será que nós também pecamos quando deixamos de ajudar alguém que está em nossas forças e condições ajudar? Quando difamamos alguém?

Essas e outras perguntas precisam ser respondidas no que diz respeito ao nosso relacionamento com nosso próximo. Afinal, desagradamos ao Senhor e cometemos pecado quando agimos de forma errada com o próximo! Exatamente porque devemos amar a Deus sobre todas as coisas e o próximo como a nós mesmos. Quando não amamos nosso próximo, desobedecemos ao Senhor e pecamos...

Claro que poderíamos ir mais fundo nessa questão. Mas nosso objetivo aqui é desenvolver pontos que podem complicar em nossa oração se não observamos algumas coisas. Assim, devemos agir para com o próximo da mesma forma que aceitamos que as pessoas venham agir conosco. Se não gostamos que nos façam algo, não vamos fazer em relação a nosso próximo. Devemos ser misericordiosos com as pessoas como o Senhor o é para conosco. E Ele nos deu o maior exemplo de misericórdia: nos enviou Seu Filho para morrer por nós!

Com isso, por enquanto, claro, encerramos este assunto teremos novo tema na próxima semana, se assim nos permitir o Senhor.

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 24/10/11 por e-mail.