O que precisamos observar na oração?

03/10/2011

 

Oramos e aguardamos que algo aconteça. Sempre que oramos, no mínimo, queremos sentir a presença do Senhor, sentir um aconchego, uma paz, quando não aguardamos uma resposta a respeito de uma inquietação.

Durante cinco semanas escrevi sobre alguns aspectos que devemos observar para que nossa oração seja atendida.

Continuo insistindo: o que escrevemos não está ordem de importância (até porque não vemos ordem de importância nestas observações), mas são pontos que devemos observar em nossas orações.

A partir de hoje, durante algumas semanas, permitindo o Senhor, vou escrever sobre algumas situações que podem atrapalhar no processo de nossa oração e sua resposta:

E, quando orardes, não sejais como os hipócritas; pois gostam de orar em pé nas sinagogas, e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam a sua recompensa. - Mateus 6.5

Precisamos nos aproximar do Senhor em oração com sinceridade e não apenas com aparência, como quem o faz apenas para mostrar para outras pessoas. A oração que é feita nas igrejas ou até em outros lugares públicos não é recriminada nesse texto. O problema não é o orar em público e sim o fazer apenas para mostrar para as outras pessoas.

Nossa oração deve ser fruto de intimidade com o Senhor, de busca de fato e não de aparência. Quer seja feita num local pessoal e individual (no quarto, como o texto Bíblico também recomenda), quer seja feita no meio de uma multidão, ela deve ser feita com sinceridade, com busca real e não apenas para que os outros vejam que você sabe usar palavras bonitas em sua oração. A recomendação de Jesus por orar no quarto é exatamente para reafirmar que a oração precisa de sinceridade! Se você não tiver ninguém por perto para observar você enquanto ora, você terá que ser sincero.

O que o Senhor espera é que tenhamos a mesma atitude que teríamos num quarto, sozinhos em nossa busca e que nada nos atrapalhe nesse processo!

Continuaremos escrevendo sobre o assunto.

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 03/10/11 por e-mail.