Sabendo aproveitar as oportunidades

16/08/2011

 

Atos dos Apóstolos 17.16-31

16 Enquanto Paulo os esperava em Atenas, revoltava-se nele o seu espírito, vendo a cidade cheia de ídolos.
17 Argumentava, portanto, na sinagoga com os judeus e os gregos devotos, e na praça todos os dias com os que se encontravam ali.
18 Ora, alguns filósofos epicureus e estóicos disputavam com ele. Uns diziam: Que quer dizer este paroleiro? E outros: Parece ser pregador de deuses estranhos; pois anunciava a boa nova de Jesus e a ressurreição.
19 E, tomando-o, o levaram ao Areópago, dizendo: Poderemos nós saber que nova doutrina é essa de que falas?
20 Pois tu nos trazes aos ouvidos coisas estranhas; portanto queremos saber o que vem a ser isto.
21 Ora, todos os atenienses, como também os estrangeiros que ali residiam, de nenhuma outra coisa se ocupavam senão de contar ou de ouvir a última novidade.
22 Então, Paulo, estando de pé no meio do Areópago, disse: Varões atenienses, em tudo vejo que sois excepcionalmente religiosos;
23 porque, passando eu e observando os objetos do vosso culto, encontrei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Esse, pois, que vós honrais sem o conhecer, é o que vos anuncio.
24 O Deus que fez o mundo e tudo o que nele há, sendo ele Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens;
25 nem tampouco é servido por mãos humanas, como se necessitasse de alguma coisa; pois ele mesmo é quem dá a todos a vida, a respiração e todas as coisas;
26 e de um só fez todas as raças dos homens, para habitarem sobre toda a face da terra, determinando-lhes os tempos já dantes ordenados e os limites da sua habitação;
27 para que buscassem a Deus, se porventura, tateando, o pudessem achar, o qual, todavia, não está longe de cada um de nós;
28 porque nele vivemos, e nos movemos, e existimos; como também alguns dos vossos poetas disseram: Pois dele também somos geração.
29 Sendo nós, pois, geração de Deus, não devemos pensar que a divindade seja semelhante ao ouro, ou à prata, ou à pedra esculpida pela arte e imaginação do homem.
30 Mas Deus, não levando em conta os tempos da ignorância, manda agora que todos os homens em todo lugar se arrependam;
31 porquanto determinou um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do varão que para isso ordenou; e disso tem dado certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.

Depois de algum tempo enviando mensagens apenas em alguns dias, espero ser este o tempo de retomar o envio, pelo menos, mais vezes. Ainda tenho uma limitação física, que tem trazido problemas desde janeiro, mas sei que Papai está cuidando de tudo e espero poder escrever mais vezes, sempre que Ele assim permitir.

No texto de hoje, vemos Atenas preocupada com quem seria Paulo e o que esse homem tinha para falar. Pelo que lemos, era a forma de agir do povo. Havia uma curiosidade por saber de todas as novidades. E naquele momento, Paulo e sua mensagem eram a novidade!

Paulo não saiu atacando todos os outros deuses daquele lugar onde ele foi levado para falar. Havia muitos objetos naquele lugar, mas Paulo tentou chamar a atenção daquelas pessoas de Atenas com algo que estava entre os objetos do culto que já prestavam. Havia o altar ao DEUS DESCONHECIDO e Paulo usa isso para começar sua mensagem. O zelo, a tentativa de busca, ainda que errada, tudo isso era algo marcante na cultura do povo. Paulo não saiu simplesmente colocando tudo no chão. Começou a pregar usando as estratégias que o Espírito Santo lhe dava para chamar a atenção daquele povo. E deu seu recado!

Entendo que podemos aprender muito com Paulo nessa situação em especial. O nosso zelo, o nosso desejo por anunciar a mensagem, muitas vezes nos leva simplesmente a querer destruir tudo o que entendemos como errado. Paulo entrou no meio da cultura do povo e aproveitou algo da própria cultura religiosa para chamar a atenção para sua mensagem. Talvez não seja sempre possível fazer algo assim. Mas precisamos, como Paulo, ter a "antena ligada" para que possamos, se for possível, usar a mesma estratégia, anunciando a verdade a partir de algo do próprio povo, para tornar mais fácil a aceitação, a compreensão e a mudança, no que for necessário. Não quer dizer aceitar tudo ou aceitar o errado! Mas saber usar estratégias de evangelização e de anúncio da mensagem. Que estejamos sempre prontos para ouvir do Senhor essa estratégia e coloquemos em prática!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 16/08/11 por e-mail.