Jesus orava, é verdade. Mas, por quê?

01/08/2011

 

Que Jesus orava, todos nós sabemos. Há muitos textos bíblicos que nos falam dessa prática na vida de Jesus. Nós, em algumas de nossas meditações, já falamos que Ele é nosso exemplo até mesmo nessa prática.

Diante da realidade que nós somos seres humanos, por conta de nossas limitações e necessidades, entendemos claramente o porquê devemos nos dedicar a prática da oração. Agora, por que Jesus precisava orar? O que estava Ele querendo nos mostrar através de Suas orações? Jesus é Divino, Todo-poderoso, o Eu Sou, Jeová, o Filho do Homem, Deus encarnado (Emanuel - Deus conosco)... Que necessidades Ele teria que poderiam ser satisfeitas com Sua oração?

Quando Jesus aceitou a Sua missão (ser Emanuel), tomou a humanidade sobre si mesmo. Se fez carne e habitou entre nós. Paulo declara de maneira linda a encarnação e a condição de Jesus antes disso, depois da encarnação e foi além, falando da eternidade:

Filipenses 2.5-11

5. Tende em vós aquele sentimento que houve também em Cristo Jesus,
6. o qual, subsistindo em forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar,
7. mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens;
8. e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz.
9. Pelo que também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu o nome que é sobre todo nome;
10. para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra,
11. e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.

Ele aceitou as "regras do jogo": se esvaziou e tomou a forma de ser humano, para como ser humano enfrentar as nossas limitações, dores, sofrimentos, tentações, alegrias, vontades... Era necessário que Ele vivesse como ser humano, na condição humana, para que pudesse como ser humano aniquilar as obras da carne e derrotar o diabo. Ele não tomou em conta o ser Deus e aceitou ser humano. E veio realizar a vontade do Pai, como Filho, obediente e amado.

Diante dessa condição, (sendo ser humano), Ele se preocupou em cumprir a Sua missão. Como veio realizar a vontade do Pai, como cada um de nós, Ele precisava da direção do Espírito Santo. Assim, realizava cada um de Seus atos, direcionado pelo Espírito.

Logo, além de ser nosso exemplo e nos mostrar como devemos fazer para buscar a direção do Pai e receber a direção do Espírito Santo, Ele orava porque confiava na providência do céu.

Vemos Jesus orando em cada momento de Sua vida, quer seja para começar o Seu trabalho, algum evento específico, agradecendo pelo alimento e pelo cuidado, clamando por pessoas, clamando por curas..., enfim, por cada uma das situações da vida! Sua oração identificava claramente de Quem Ele esperava a atuação diante de alguma necessidade ou a Quem Ele estava agradecendo por algo.

Assim, Ele é nosso exemplo nisso também: nos mostra como devemos agir! Buscar em oração a cada momento a vontade e a intervenção do Senhor em nossa vida ou na de pessoas ao nosso redor, ou ainda para agradecermos a Sua manifestação.

Não negligencie sua vida de oração. Não deixe pra depois! Separe um tempo para se dedicar em oração ao Senhor. Não deixe o que sobra. Separe com alegria e não por obrigação. E não perca qualquer momento de seu dia para deixar registrada mais uma oração diante do Senhor. No meio de uma conversa, depois que algo aconteceu... Para orar, claro, precisamos dedicar algum tempo em específico. Não podemos abrir mão de um tempo separado apenas para a oração. Mas no meio de uma conversa ou de um trabalho, podemos dizer apenas uma frase dirigida ao Senhor, como uma breve oração, mesmo que não paremos para tal. Devemos, sim, separar um tempo para tal prática, mas devemos aproveitar todos os momentos de nosso dia para mais uma vez falar com o Senhor. Frases pequenas ou uma oração mais extensa. Busquemos ao Senhor, pois Jesus precisou e nos mostrou como devemos agir diante da nossa condição humana.

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 01/08/11 por e-mail.