O "Silêncio" de Deus. Silêncio?!

30/05/2011

 

6ª parte

No “silêncio” de Deus:

APRENDEMOS QUE JESUS SE COMPADECE DE NÓS

“Jesus, pois, quando a viu chorar, e chorarem também os judeus que com ela vinham, comoveu-se em espírito, e perturbou-se, e perguntou: Onde o puseste? Responderam-lhe: Senhor, vem e vê. Jesus chorou” – João 11.33-35
 
Jesus sabia que Lázaro estava apenas dormindo, que na verdade, ele voltaria a viver. Mas as pessoas entristecidas não sabiam ou, mesmo depois do Senhor anunciar que era isso, não creram, já que parecia algo muito complicado, apesar de Jesus já ter realizado antes outras coisas que pareciam complicadas!

Independente disso, da falta de fé ou de conhecimento, Jesus não foi rude com as pessoas que estavam sofrendo. Nele podemos visualizar o Deus sensível, carinhoso, sensibilizado com o ser humano. Até então, no Antigo Testamento, o judeu até tinha conhecimento e contato com Deus dessa forma, mas na maior parte do tempo se tinha a visão do Deus Juiz, que punia o desvio da Lei.

Jesus Cristo, no texto que motiva esta meditação, chora, se comove com a nossa dor, além de se chatear, é claro, com a falta de fé. O que Jesus revela com suas Palavras e atitudes é que as intenções de Deus se traduzem em auxílio nos momentos de dor. Chorou com os que choravam, sentiu a dor da limitação humana. Foi assim com o homem que vinha sofrendo por causa de seu filho endemoninhado (Marcos 9.17-27). É assim comigo e com você! Ele nos toma nos braços, enxuga as nossas lágrimas e sara as nossas feridas.

Quando erramos, somos corrigidos, mas em amor. A vida de Jesus foi uma evidencia da compaixão de Deus.

Continuamos na próxima semana, permitindo o Senhor!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 30/05/11 por e-mail.