Seguir fazendo a vontade do Senhor

26/04/2011

 

Atos dos Apóstolos 17.10-15

10 E logo, de noite, os irmãos enviaram Paulo e Silas para Beréia; tendo eles ali chegado, foram à sinagoga dos judeus.
11 Ora, estes eram mais nobres do que os de Tessalônica, porque receberam a palavra com toda avidez, examinando diariamente as Escrituras para ver se estas coisas eram assim.
12 De sorte que muitos deles creram, bem como bom número de mulheres gregas de alta posição e não poucos homens.
13 Mas, logo que os judeus de Tessalônica souberam que também em Beréia era anunciada por Paulo a palavra de Deus, foram lá agitar e sublevar as multidões.
14 Imediatamente os irmãos fizeram sair a Paulo para que fosse até o mar; mas Silas e Timóteo ficaram ali.
15 E os que acompanhavam a Paulo levaram-no até Atenas e, tendo recebido ordem para Silas e Timóteo a fim de que estes fossem ter com ele o mais depressa possível, partiram.

O início da mensagem é o mesmo que no texto anterior sobre a porção antes da atual: Paulo e Silas seguem em viagem. Era tempo de anunciar o Evangelho, de dizer aos judeus que aquele Messias que eles esperavam já tinha vindo! E dizer aos gentios que a salvação ia também ao encontro deles!

Eles seguiram o costume: procuraram a sinagoga para começar a falar, a anunciar. Mais uma vez a chance era dada aos judeus em primeiro lugar. Além disso, claro, eles eram judeus, ainda não era pensado em uma separação definitiva, mas acreditava-se, entendo, que os judeus poderiam aderir definitivamente ao ensinamento do Evangelho, reconhecendo o cumprimento das Escrituras em Jesus. Sabemos hoje que não foi bem assim... Mas acredito que ainda se esperava isso naqueles dias, que ao menos a maioria dos judeus aceitassem e entendessem, já que eram conhecedores das Escrituras e poderiam notar o cumprimento das mesmas.

Diferente da visita em cidade anterior, os judeus resolveram ouvir, avaliar, ler, confirmar o que era falado com os textos conhecidos. Decidiram que era tempo de avaliar. E muitos entenderam a mensagem. Observaram que havia realmente coerência entre a pregação e os textos. E mais uma vez, não apenas os judeus, mas gregos aceitaram a mensagem. Muitas mulheres e não poucos homens! Se as mulheres deveriam ficar quietas em todos os lugares e em qualquer tempo (como expressa alguns textos de Paulo e alguns entendem como algo para todos os tempos), por que citar que elas aceitaram a mensagem? Não seria mais fácil entender que a recomendação de Paulo em alguns lugares valia para situações como as dos contexto histórico daqueles lugares e que em outros lugares era diferente? Mas isso é assunto para outros textos, claro, se o Senhor permitir. Para hoje, fica que a mensagem foi pregada em um lugar, houve conversões e problemas, Paulo e Silas vão para outro lugar, seguem o mesmo caminho, mas aqui mais pessoas aceitam a mensagem entre os judeus. Só que os da outra cidade, onde fora pregado anteriormente, resolvem causar tumulto. Mas isso não impediu que a mensagem continuasse sendo pregada, quer ficando, quer indo para outros lugares. Não podemos desanimar diante de dificuldades de pregação! Devemos seguir buscando estratégias (as mesmas ou novas - não é porque deu certo em um lugar que dará em todos e não é porque deu errado em um lugar que será assim sempre) e lugares para anunciar a mensagem do Evangelho!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 26/04/11 por e-mail.