Seguir fazendo a vontade do Senhor

05/04/2011

 

Atos dos Apóstolos 17.1-9

1 Tendo passado por Anfípolis e Apolônia, chegaram a Tessalônica, onde havia uma sinagoga dos judeus.
2 Ora, Paulo, segundo o seu costume, foi ter com eles; e por três sábados discutiu com eles as Escrituras,
3 expondo e demonstrando que era necessário que o Cristo padecesse e ressuscitasse dentre os mortos; este Jesus que eu vos anuncio, dizia ele, é o Cristo.
4 E alguns deles ficaram persuadidos e aderiram a Paulo e Silas, bem como grande multidão de gregos devotos e não poucas mulheres de posição.
5 Mas os judeus, movidos de inveja, tomando consigo alguns homens maus dentre os vadios e ajuntando o povo, alvoroçavam a cidade e, assaltando a casa de Jáson, os procuravam para entregá-los ao povo.
6 Porém, não os achando, arrastaram Jáson e alguns irmãos à presença dos magistrados da cidade, clamando: Estes que têm transtornado o mundo chegaram também aqui,
7 os quais Jáson acolheu; e todos eles procedem contra os decretos de César, dizendo haver outro rei, que é Jesus.
8 Assim, alvoroçaram a multidão e os magistrados da cidade, que ouviram estas coisas.
9 Tendo, porém, recebido fiança de Jáson e dos demais, soltaram-nos.

Paulo e Silas seguem em viagem. Era tempo de anunciar o Evangelho, de dizer aos judeus que aquele Messias que eles esperavam já tinha vindo! E dizer aos gentios que a salvação ia também ao encontro deles!

Eles seguiram o costume: procuraram a sinagoga para começar a falar, a anunciar. Mais uma vez a chance era dada aos judeus em primeiro lugar. Além disso, claro, eles eram judeus, ainda não era pensado em uma separação definitiva, mas acreditava-se, entendo, que os judeus poderiam aderir definitivamente ao ensinamento do Evangelho, reconhecendo o cumprimento das Escrituras em Jesus. Sabemos hoje que não foi bem assim... Mas acredito que ainda se esperava isso naqueles dias, que ao menos a maioria dos judeus aceitassem e entendessem, já que eram conhecedores das Escrituras e poderiam notar o cumprimento das mesmas.

Alguns judeus entenderam assim. Muitos gentios, alguns de posição social reconhecida na época, também entenderam a mensagem. Mas houve o grupo dos que não aceitaram e, assim sendo, poderiam querer punições, quer sociais, quer religiosas, diante da Lei. Parecia que a separação entre os grupos estava cada vez mais se desenhando. Alguns judeus entendiam, outros ainda viam de outra forma. No texto, esses que entendem de outra forma, tentam pegar Paulo e Silas, sem sucesso. Ainda numa tentativa de abafar o que estava acontecendo, pegam aquele que tinha acolhido os dois, talvez para mostrar que até que dava abrigo a pregadores como aqueles, poderiam passar por punições. Era uma forma de desencorajar pessoas a darem esse abrigo. Mediante fiança, foram soltos mas, acredito, imaginávasse que uma lição tinha sido dada e seria mais difícil que a pregação do Evangelho continuasse. Mas quando o plano de Deus é obedecido, não importa qualquer dificuldade ou contrariedade, mesmo que mostre impossibilidade... quando é plano do Senhor, as coisas acontecem e tudo o que devemos fazer para isso é nos colocar em posição de ação e fazer tudo para não atrapalhar o mover de Deus, antes ser parte desse mover, indo na direção da vontade do Senhor. Que possamos ser assim!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 05/04/11 por e-mail.