Oração - o poder de Deus para transformar

24/01/2011

 

2ª parte

A meditação que segue tem como base uma parte do livro Ocupado demais para deixar de orar, de Bill Hybels, além, é claro, se observações pessoais:

Lucas 18.35-43

De que adianta apresentarmos a Deus nossa petição, se não crermos? Ele é poderoso para fazer muito mais que pedimos ou pensamos (Efésios 3.20). Se não acredito, não adianta pedir!
 
No texto do Doutor Lucas, vemos um cego que soube que Jesus passava por ali. Ele sabia do que Jesus era capaz e se põe a chamar por Jesus. Mas pessoas tentam fazer com que ele se cale, o que não muda sua atitude de busca, mas muda sua intensidade no pedido! Quando Jesus se aproxima dele, ainda ouve o Senhor perguntar o que ele (cego) quer que seja feito! O problema dele era visível e Jesus sabia. Se Jesus era capaz de saber o que se passava no coração de pessoas (Marcos 2.8), Ele era capaz de saber qual era o desejo daquele cego, além de poder ver o seu problema! Ainda assim, Jesus espera que o cego apresente seu pedido e depois responde.
 
Como o cego, sabemos da fama de Jesus. Talvez nós já até experimentamos o Seu agir. E assim, nos colocamos a clamar por Sua intervenção em nossa necessidade. Mas uma demora no atendimento de nosso pedido, alguém (não crente, espero) tentando nos desanimar diante da possibilidade de uma negativa por parte de Deus, os problemas, entre outras coisas, faz com que comecemos a não acreditar numa resposta da parte de Deus. Começamos a pensar que Ele não ouviu nossa oração ou que nem quer responder!

Mas Ele não é poderoso? Não cremos nisso? E não temos buscado a Sua vontade sobre nós? Se temos, sabemos que o melhor vai acontecer (Romanos 8.28). Sem contar que somos convidados/as por Deus a perseverar em oração (Lucas 18.1-8; 1 Tessalonicenses 5.17), com a certeza de que Sua resposta vem!
 
Diante de uma demora, dos problemas ou de afrontas que recebemos tentando nos desanimar, devemos agir como o cego do texto de Lucas: clamar mais alto! Nossa atitude não deve ser desistir da resposta ou tentar resolver por nossa conta própria, mas devemos clamar ao Senhor, perseverar em oração, pois já sabemos que muitas vezes essas respostas “demoram” porque o Senhor nos ama e quer que O busquemos mais, quer seja para um acerto em nossa vida, quer seja para um acerto no pedido, uma vez que não estamos isentos da possibilidade de ainda deixar falar mais alto o nosso próprio desejo sem levar em conta a vontade de Deus.

Continuamos essa meditação na próxima semana, permitindo o Senhor!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 24/01/11 por e-mail.