O Senhor cumpre Suas promessas

13/01/2011


Esdras 1.1-11

1 No primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia, para que se cumprisse a palavra do Senhor proferida pela boca de Jeremias, despertou o Senhor o espírito de Ciro, rei da Pérsia, de modo que ele fez proclamar por todo o seu reino, de viva voz e também por escrito, este decreto:
2 Assim diz Ciro, rei da Pérsia: O Senhor, Deus do céu, me deu todos os reinos da terra, e me encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que é em Judá.
3 Quem há entre vós de todo o seu povo (seja seu Deus com ele) suba para Jerusalém, que é em Judá, e edifique a casa do Senhor, Deus de Israel; ele é o Deus que habita em Jerusalém.
4 E todo remanescente, seja qual for o lugar em que é peregrino, seja ajudado pelos homens desse lugar com prata, com ouro, com bens e com animais, afora a oferta voluntária para a casa de Deus, que está em Jerusalém.
5 Então, se levantaram os chefes das casas paternas de Judá e Benjamim e os sacerdotes, e os levitas, todos aqueles cujo espírito Deus despertara, para subirem a edificar a casa do Senhor, que está em Jerusalém.
6 E todos os seus vizinhos os ajudaram com utensílios de prata, com ouro, com bens, com animais e com coisas preciosas, afora tudo o que se ofereceu voluntariamente.
7 Também o rei Ciro tirou os utensílios que pertenciam à casa do Senhor e que Nabucodonosor tinha trazido de Jerusalém e posto na casa de seus deuses.
8 Ciro, rei da Pérsia, tirou-os pela mão de Mitredate, o tesoureiro, que os entregou contados a Sesbazar, príncipe de Judá.
9 Este é o número deles: Trinta bacias de ouro, mil bacias de prata, vinte e nove incensários,
10 trinta taças de ouro, quatrocentas e dez taças de prata e mil outros utensílios.
11 Todos os utensílios de ouro e de prata foram cinco mil e quatrocentos; todos estes levou Sesbazar, quando os do cativeiro foram conduzidos de Babilônia para Jerusalém.


O Senhor permitiu que o povo fosse para o cativeiro, mas deixou a promessa do retorno. Jeremias foi o responsável por dar o recado (leia Jeremias 25.12 e 29.10). O livro de Esdras começa dando conta do cumprimento da profecia. Talvez alguns já nem acreditassem mais, quer judeus, quer povos vizinhos, que um dia o templo em Jerusalém estaria em ordem e  o povo estaria de novo em casa. Mas o Senhor prometeu que isso iria acontecer.
 
As promessas do Senhor não falham. Essas, podemos esperar o cumprimento. Se é apenas para esperar, que esperemos. Se é para agirmos para recebermos a promessa, que tenhamos discernimento de qual atitude e tenhamos disposição, além de disponibilidade, para agir e receber do Senhor. Não falo de promessas que as pessoas querem que se cumpram, mas das promessas do Senhor realmente. Devemos saber que há "profetas e profetas". Alguns dizem o que se quer ouvir ou o que querem que aconteça. No meio desses, há os que fazem apenas por fazer, mas outros porque foram instruídos dessa forma e fazem com fé realmente. Mas há os profetas que realmente dizem as coisas com base na vontade de Deus, naquilo que é revelado. Esses, nem sempre agradam (Jeremias foi um exemplo disso), mas o que falam, vem mesmo da vontade de Deus.
 
Tal como Jeremias disse, o povo volta para casa. Vão colocar e ordem as coisas. Deus toca o coração do governante para que dê toda a direção, para que seja algo oficial, e ainda prepara todas as coisas para a volta, para a construção, em muitos detalhes. Objetos do templo, ouro, tantas coisas que seriam necessárias, o Senhor dá a ordem através de Ciro com todos os detalhes, para que não houvesse dúvida que Ele estava agindo. Era uma alteração completa na condição do povo e de Jerusalém (do templo). O que parecia impossível, não só se tornava possível, como sem nenhuma "rebelião" e ainda com os detalhes necessários cumpridos por ordem de Ciro!

Que possamos ouvir as promessas do Senhor. E que possamos saber esperar. O Senhor cumpre com detalhes todas as necessidades para que Sua promessa se cumpra. E que possamos saber ver esse cumprimento, para vivermos debaixo das promessas do Senhor!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 13/01/11 por e-mail.