Salmo 140

02/09/2010

 

1 Livra-me, ó Senhor, dos homens maus; guarda-me dos homens violentos,
2 os quais maquinam maldades no coração; estão sempre projetando guerras.
3 Aguçaram as línguas como a serpente; peçonha de áspides está debaixo dos seus lábios.
4 Guarda-me, ó Senhor, das mãos dos ímpios; preserva-me dos homens violentos, os quais planejaram transtornar os meus passos.
5 Os soberbos armaram-me laços e cordas; estenderam uma rede à beira do caminho; puseram-me armadilhas.
6 Eu disse ao Senhor: Tu és o meu Deus; dá ouvidos, ó Senhor, à voz das minhas súplicas.
7 Ó Senhor, meu Senhor, meu forte libertador, tu cobriste a minha cabeça no dia da batalha.
8 Não concedas, ó Senhor, aos ímpios os seus desejos; não deixes ir por diante o seu mau propósito.
9 Não levantem a cabeça os que me cercam; cubra-os a maldade dos seus lábios.
10 Caiam sobre eles brasas vivas; sejam lançados em covas profundas, para que não se tornem a levantar!
11 Não se estabeleça na terra o caluniador; o mal persiga o homem violento com golpe sobre golpe.
12 Sei que o Senhor manterá a causa do aflito e o direito do necessitado.
13 Decerto, os justos louvarão o teu nome; os retos habitarão na tua presença.

O salmista confia no Senhor. Mas, ao olhar ao seu redor, como qualquer pessoa, inclusive em nossos dias, vê muita maldade. E numa oração declarando sua confiança, espera no Senhor o cuidado contra aquele que é ímpio e age de forma contrária ao querer do Senhor. Espera no Senhor que o ímpio não prospere em seu caminho e ainda seja ele mesmo atingido pelo mal que maquina contra outros!

Muitas vezes a maldade é apenas uma calúnia. Algo que é falado sem ter razão contra uma pessoa. E quantas vezes aqueles que servem ao Senhor passam por isso. O mais triste é quando isso acontece e quem faz o papel do ímpio é alguem chegado, até mesmo um "irmão na fé", que pensa estar fazendo uma boa coisa, alertando os outros sobre algo. E nem sempre o que se alerta é verdade. E mesmo que seja, não devemos alertar os outros para as atitudes alheias. Quem deve ser alertado primeiro é quem fez o ato errado para ter a chance de se explicar, mostrando que não é bem assim, ou de mudar seu caminho. Nem mesmo sob o pretexto de pedir oração devemos falar dos erros alheios. Ainda mais quando nem mesmo confirmamos com a pessoa e alguém pode estar falando algo errado ou por maldade ou por má interpretação...

O fato é que a maldade acontece, quer seja praticada por alguém que faz isso de "caso pensado", quer seja praticado por alguém que negligenciou o caminho correto diante do erro (ou suposto erro) alheio. Assim, precisamos tal qual o salmista, confiar no Senhor para que nos livre dessas coisas. Primeiro, claro, precisamos viver de forma a agradar ao desejo do Senhor. E assim, confiar que Ele cuidará de nós e sempre fará o melhor. E quem faz a maldade, ainda que pareça prosperar em seu caminho, em algum momento terá que responder tal ato. Que possa se converter e se acertar antes de ter que responder!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 02/09/10 por e-mail.