Quando deixamos Deus agir...

24/08/2010


Atos dos Apóstolos 13.4-12

4 Estes, pois, enviados pelo Espírito Santo, desceram a Selêucia e dali navegaram para Chipre.
5 Chegados a Salamina, anunciavam a palavra de Deus nas sinagogas dos judeus e tinham a João como auxiliar.
6 Havendo atravessado a ilha toda até Pafos, acharam um certo mago, falso profeta, judeu, chamado Bar-Jesus,
7 que estava com o procônsul Sérgio Paulo, homem sensato. Este chamou a Barnabé e Saulo e mostrou desejo de ouvir a palavra de Deus.
8 Mas resistia-lhes Elimas, o encantador (porque assim se interpreta o seu nome), procurando desviar a fé do procônsul.
9 Todavia, Saulo, também chamado Paulo, cheio do Espírito Santo, fitando os olhos nele,
10 disse: ó filho do diabo, cheio de todo o engano e de toda a malícia, inimigo de toda a justiça, não cessarás de perverter os caminhos retos do Senhor?
11 Agora eis a mão do Senhor sobre ti, e ficarás cego, sem ver o sol por algum tempo. Imediatamente caiu sobre ele uma névoa e trevas e, andando à roda, procurava quem o guiasse pela mão.
12 Então, o procônsul, vendo o que havia acontecido, creu, maravilhando-se da doutrina do Senhor.


Saulo e Barnabé pregavam nas sinagogas. Primeiro apresentavam a pregação aos judeus. Na prática, eles eram judeus, apenas com uma visão além da que era tida como a oficial. A separação não era definitiva, apesar de já exisitir perseguição aos "hereges" cristãos. Para muitos judeus, os cristãos eram hereges. Mas a pregação encontrava espaço nos corações de muitos, que se aproximavam do Evangelho. Junto com Saulo e Barnabé, ia Marcos, um auxiliar, por ser mais novo possivelmente, não necessariamente no conhecimento de Jesus, mas na idade mesmo. Marcos pode ter sido testemunha ocular de Jesus! Mas era muito jovem ainda.

Bar - siginifica filho. Então, Bar-Jesus, seria filho de Jesus. Elimas, o encantador, queria tirar a atenção do Procônsul, que queria ouvir a mensagem de Saulo e Barnabé. Através da inspiração do Espírito Santo, Saulo, chamado de Paulo aqui também, faz um "trocadilho" com o nome Bar-Jesus, chamando-o de "filho do diabo". Algumas pessoas fazem isso e são mal interpretadas em nossos dias. Não sei a situação de Paulo naquele momento, claro que o cumprimento do que ele falou favoreceu a não questionarem. Mas algumas pessoas poderiam dizer que ele estava exagerando. Talvez dissessem se Paulo fizesse tal em nossos dias! Mas quando a direção vem do Espírito Santo, mesmo que pareça duro, é apenas a realidade... Muitos não estão preparados para isso... Só se espera mansidão...

Mas, como citei, logo em seguida, o que Paulo avisa que vai acontecer, se torna realidade. E o procônsul acreditou na mensagem! Isso tornou complicado qualquer tipo de oposição. Hoje em dia, até mesmo com a conprovação do Senhor, há quem questione. Nesse caso, o procôsul notou na hora que havia algo diferente ali. Já tinha ouvido a mensagem, já tinha interesse em conhecer mais e viu algo além. Muitas vezes os "novos convertidos" ou os que ainda não se converteram aceitam mais o agir dessa forma que as pessoas da comunidade de fé, que sempre querem de um jeito específico, do "seu" jeito. Queremos, claro, viver com os sinais que havia nos dias de Atos! Para isso, precisamos estar prontos para o agir do Senhor e através da pessoa e forma que Ele entender que deve agir. Não devemos esperar apenas as coisas do jeito que queremos ou achamos certou ou ainda melhor. Assim, podemos realmente experimentar eventos como os dos dias de Atos: Buscando a santidade e deixando o Senhor agir da forma como aprover ao Seu querer!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 24/08/10 por e-mail.