Ministrando ao Senhor - mais que um momento...

19/04/2010

 

A atividade cúltica acontece normalmente, há leituras da Bíblia, orações e até comunicados. Mas parece que muitos esperam ansiosos por um momento em especial: o louvor. E para muitos, esse é o único momento de louvor em uma semana inteira, caso só possa ir na comunidade de fé aos domingos, por conta de uma agenda agitada. Muitas vezes, o momento de louvor é até mais esperado que o momento da edificação, da mensagem, da pregação. Eu não vou entrar numa discussão de importância, porque entendo cada momento do culto liturgicamente importante! E não espero mais por um momento que por outro. Mas observei ao longo dos anos que há um grande interesse no momento de louvor.

E há outra posição que parece importante: dirigir o louvor. Realmente não vou dizer que não é importante, pois além da mensagem, esse é outro momento que Deus me colocou muitas vezes e estou sempre pronto para o agir Dele em qualquer momento. Mas a pessoa que dirige o louvor entende que precisa levar a comunidade para a verdadeira adoração e/ou para um momento de louvor muito animado. Primeiro que adorar não tem que ser "desanimado". Segundo, louvor não precisa ser necessariamente animado. Mas iremos falar mais sobre louvor e adoração nas mensagens seguintes.

Na meditação de hoje, queremos falar sobre o louvor como algo além de apenas um momento dentro do evento litúrgico da atividade cúltica, derrubando a tese, então, de que alguns podem ter apenas a chance de participar de um único momento de louvor (no domingo). Isso porque o louvor e a adoração não se limitam a apenas estarmos cantando hinos ou cânticos ao Senhor nos cultos de domingo. Louvor e Adoração vão muito mais além que esse momento – devem ser encarados e praticados como um estilo de vida. E para podermos ter um estilo de vida transformado com essa direção, precisamos conhecer e buscar constantemente a Deus, sendo cheios e renovados pelo Espírito Santo. Voltaremos a este ponto oportunamente.

Como o próprio apóstolo Paulo afirma em 1 Coríntios 10.31, “Portanto quer comais, quer bebais, ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus.”.

Entendemos, então, que cada ato da vida do cristão deve ser um ato de reconhecimento da grandeza, da glória de Deus; em outras palavras, tanto o louvor, como a adoração, devem estar presentes em tudo o que fizermos, devem estar manifestados no falar, pensar, trabalhar, vestir, estudar, orar, e também, no cantar. Da mesma forma que não é missionário apenas aquele que deixa tudo e vai para um lugar completamente diferente. O "ser missionário" começa dentro de casa, passa pela rua, local de trabalho, de estudo, de passeio, de compras as mais variadas e, em alguns casos, desemboca em ir para um lugar diferente. Louvar e Adorar devem ser encarado muito mais como forma de viver do que apenas como um momento do culto, ou mesmo um momento devocional, onde alguns cânticos são entoados. Devem partir de todos os nossos atos durante o nosso dia, nossa vida!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

 

Esta meditação foi enviada em 19/04/10 por e-mail.