Somos chamados para aguardar o Dia do Senhor

03/03/2010

 

Joel 2

1 TOCAI a trombeta em Sião, e clamai em alta voz no meu santo monte; tremam todos os moradores da terra, porque o dia do Senhor vem, já está perto;
2 Dia de trevas e de escuridão; dia de nuvens e densas trevas, como a alva espalhada sobre os montes; povo grande e poderoso, qual nunca houve desde o tempo antigo, nem depois dele haverá pelos anos adiante, de geração em geração.
3 Diante dele um fogo consome, e atrás dele uma chama abrasa; a terra diante dele é como o jardim do Éden, mas atrás dele um desolado deserto; sim, nada lhe escapará.
4 A sua aparência é como a de cavalos; e como cavaleiros assim correm.
5 Como o estrondo de carros, irão saltando sobre os cumes dos montes, como o ruído da chama de fogo que consome a pragana, como um povo poderoso, posto em ordem para o combate.
6 Diante dele temerão os povos; todos os rostos se tornarão enegrecidos.
7 Como valentes correrão, como homens de guerra subirão os muros; e marchará cada um no seu caminho e não se desviará da sua fileira.
8 Ninguém apertará a seu irmão; marchará cada um pelo seu caminho; sobre a mesma espada se arremessarão, e não serão feridos.
9 Irão pela cidade, correrão pelos muros, subirão às casas, entrarão pelas janelas como o ladrão.
10 Diante dele tremerá a terra, abalar-se-ão os céus; o sol e a lua se enegrecerão, e as estrelas retirarão o seu resplendor.
11 E o Senhor levantará a sua voz diante do seu exército; porque muitíssimo grande é o seu arraial; porque poderoso é, executando a sua palavra; porque o dia do Senhor é grande e mui terrível, e quem o poderá suportar?
12 Ainda assim, agora mesmo diz o Senhor: Convertei-vos a mim de todo o vosso coração; e isso com jejuns, e com choro, e com pranto.
13 E rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes, e convertei-vos ao Senhor vosso Deus; porque ele é misericordioso, e compassivo, e tardio em irar-se, e grande em benignidade, e se arrepende do mal.
14 Quem sabe se não se voltará e se arrependerá, e deixará após si uma bênção, em oferta de alimentos e libação para o Senhor vosso Deus?
15 Tocai a trombeta em Sião, santificai um jejum, convocai uma assembléia solene.
16 Congregai o povo, santificai a congregação, ajuntai os anciãos, congregai as crianças, e os que mamam; saia o noivo da sua recâmara, e a noiva do seu aposento.
17 Chorem os sacerdotes, ministros do Senhor, entre o alpendre e o altar, e digam: Poupa a teu povo, ó Senhor, e não entregues a tua herança ao opróbrio, para que os gentios o dominem; porque diriam entre os povos: Onde está o seu Deus?
18 Então o Senhor se mostrou zeloso da sua terra, e compadeceu-se do seu povo.
19 E o Senhor, respondendo, disse ao seu povo: Eis que vos envio o trigo, e o mosto, e o azeite, e deles sereis fartos, e vos não entregarei mais ao opróbrio entre os gentios.
20 Mas removerei para longe de vós o exército do norte, e lançá-lo-ei em uma terra seca e deserta; a sua frente para o mar oriental, e a sua retaguarda para o mar ocidental; e subirá o seu mau cheiro, e subirá a sua podridão; porque fez grandes coisas.
21 Não temas, ó terra: regozija-te e alegra-te, porque o Senhor fez grandes coisas.
22 Não temais, animais do campo, porque os pastos do deserto reverdecerão, porque o arvoredo dará o seu fruto, a vide e a figueira darão a sua força.
23 E vós, filhos de Sião, regozijai-vos e alegrai-vos no Senhor vosso Deus, porque ele vos dará em justa medida a chuva temporã; fará descer a chuva no primeiro mês, a temporã e a serôdia.
24 E as eiras se encherão de trigo, e os lagares trasbordarão de mosto e de azeite.
25 E restituir-vos-ei os anos que comeu o gafanhoto, a locusta, e o pulgão e a lagarta, o meu grande exército que enviei contra vós.
26 E comereis abundantemente e vos fartareis, e louvareis o nome do Senhor vosso Deus, que procedeu para convosco maravilhosamente; e o meu povo nunca mais será envergonhado.
27 E vós sabereis que eu estou no meio de Israel, e que eu sou o Senhor vosso Deus, e que não há outro; e o meu povo nunca mais será envergonhado.
28 E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões.
29 E também sobre os servos e sobre as servas naqueles dias derramarei o meu Espírito.
30 E mostrarei prodígios no céu, e na terra, sangue e fogo, e colunas de fumaça.
31 O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do Senhor.
32 E há de ser que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo; porque no monte Sião e em Jerusalém haverá livramento, assim como disse o Senhor, e entre os sobreviventes, aqueles que o Senhor chamar.


Quando pensamos no Profeta Joel, pensamos automaticamente na promessa do Espírito Santo que aparece no final do texto que citamos acima. Mas vejo que esse texto tem muito mais a nos dizer! Muitas vezes nós lemos apenas partes dos textos. Em Isaías 6 só nos lembramos do “Eis-me aqui; envia-me a mim”. Não lemos quão difícil era a tarefa de Isaías, apresentada na sequência dessa parte que lembramos. Em 2 Crônicas só lembramos do 7.14, e deixamos de lado o que vem antes e depois...

Esse texto de Joel é assim também. Parece que ele só tem os últimos versículos. Na verdade, só os versículos 28 e 29...

Mas o texto é mais amplo. Fala de momentos diferentes da caminhada do Povo de Deus.

Na primeira parte (1-11) vemos a indicação de um momento que ainda está no futuro para nós, hoje, que é a volta do Senhor. Fala desse Dia Glorioso, como será.

Na sequência (12-17) a indicação do texto é clara a respeito do Senhor chamando o povo ao arrependimento. Primeiro, fala do Dia do Senhor, dando indicações de quem irá sofrer e o que sofrerá. Na sequência, chama o povo ao arrependimento, para que não passe por aqueles problemas no Dia do Senhor.

O texto segue dando conta de que, a partir da conversão do povo, a partir do momento que o povo se arrepende e busca ao Senhor, além de aguardar o Dia do Senhor para triunfar em vitória, o povo ainda pode esperar o cuidado do Senhor nas coisas do dia a dia, enquanto está vivendo esta vida. Vemos isso nos versículos de 18 a 27, quando o Senhor deixa claro que o inimigo não triunfará nas coisas do dia a dia.

Só aí chegamos na parte tão conhecida desse texto. Primeiro, o Senhor alerta sobre o Dia da Vitória, depois sobre a necessidade de conversão do mal caminho e segue mostrando a vida de triunfo que podemos viver já nos nossos dias, quanto mais podemos esperar a vitória e o cuidado no Dia do Senhor.

Só aí o Senhor fala do Espírito Santo, da descida deste.

O que isso pode significar?

Primeiro, que devemos, cheios do Espírito, aguardar o Dia do Senhor. Se não estivermos cheios do Espírito, iremos sofrer com a chegada desse Dia, muito mais do que os sofrimentos do dia a dia, que hoje já parecem grandes! Mas cheios do Espírito, não tememos esse Dia, antes aguardamos!

Segundo, que para aguardar o Dia do Senhor, cheios do Espírito, precisamos ouvir a Voz do Senhor nos chamando ao arrependimento. Devemos deixar o mal caminho e buscar uma vida de santidade diante do Senhor.

Terceiro que o Senhor irá nos livrar da ira vindoura, sim, mas que Ele também irá nos direcionar a cada dia e cuidará de nós em cada momento, em cada decisão, em cada necessidade que tivermos. Não há problema maior, ainda que ele pareça (e até seja) grande, que o cuidado do Senhor sobre nós.

Antes de estarmos cheios do Espírito, primeiro precisamos deixar de lado as nossas coisas. O pecado, ou pelo menos a prática comum do pecado, fugindo dele. Se deixarmos de praticá-lo como algo comum, o Espírito irá nos mostrar quando deixarmos de realizar a vontade do Senhor e nos conduzirá ao caminho correto. Se estivermos afundados no pecado, o processo de convencimento do mesmo tem que começar de novo! Mas se já tivermos deixado isso de lado, o Senhor terá como nos direcionar a fugirmos do erro ou, tão logo façamos algo por vontade própria, o Espírito nos mostrará o erro.

Mas, pra quê deixar o pecado? Parece, muitas vezes, que é melhor a vida quando fazemos certas coisas que o Espírito nos mostra que é pecado...

Precisamos deixar o pecado porque haverá um dia, o Dia do Senhor, em que haverá grande sofrimento para aqueles que seguiram vivendo em pecado. Porque já podemos experimentar no hoje, aqui e agora, coisas grandiosas que viveremos na eternidade com o Senhor. Porque o Senhor nos amou e não quer que deixemos o pecado dominar nossas decisões! E porque não sabemos quando será esse Dia do Senhor! Pode ser a qualquer momento!

Por isso o texto de Joel que fala da descida do Espírito nos versos mais conhecidos desse texto precisa ser observado como um todo. Porque o Senhor derrama Seu Espírito em pessoas arrependidas, obedientes, que querem o cumprimento dessa promessa. Que querem experimentar Seu amor, no cuidado no dia a dia e na esperança da Eternidade. A descida do Espírito só acontece quando nos convencemos que há um Deus que cuida de nós, que nos ama e que um dia virá para reinar em definitivo sobre aqueles que querem a vida que Ele planejou para cada um. Só recebemos esse Espírito quando entendemos a necessidade do cuidado desse Deus e buscamos, em obediência, realizar a Sua vontade. Aí, o próprio Espírito vem para nos guiar na caminhada, para fazer prodígios em nossa vida e a partir dela!

Nós já sabemos do cuidado do Senhor. Já sabemos que chegará o Dia do Senhor. Já sabemos da necessidade de nos arrependermos e já temos experimentado o cuidado a cada dia, nas menores coisas! Quanto mais podemos esperar para a Eternidade!!!

Assim, cheios do Espírito, iremos aguardar o Dia do Senhor, aguardando por essa vitória! Iremos, no dia a dia enfrentar as dificuldades, mas sempre iremos notar a ação do Senhor quando ela acontecer. Iremos experimentar o Amor do Senhor nos dias atuais e no celeste porvir! E veremos coisas grandiosas, pois o Espírito agirá em nós e através de nós, desde que deixemos o caminho errado e busquemos, em obediência, a vontade do Senhor.


Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 03/03/10 por e-mail.