Anunciar a verdade: seguir na direção certa

02/03/2010


Leia Atos dos Apóstolos 7.1-60

 

Neste texto, lemos a chamada "defesa de Estevão" e sua morte. Vamos pensar em alguns detalhes do seu discurso de "defesa":

Ele não tenta se defender do que foi acusado (registrado em Atos 6.11-14), mas apresenta a história. Em vez de se preocupar com uma defesa de sua atuação, talvez contradizendo os que o acusavam, até mesmo quem sabe mostrando a questão de suborno para que algo fosse falado, ele prefere aproveitar a chance para apresentar detalhes sobre a história e o final disso, que é o Evangelho. E nos ensina que mesmo no meio de acusações falsas, se estamos fazendo a vontade do Senhor, devemos aproveitar as oportunidades para falar do Senhor. Ele cuida de tudo e está abrindo a chance para anunciarmos. Sei que não é fácil e não é o que sempre fazemos. Mas é um ótimo exemplo que podemos buscar como inspiração!

Ele começa falando sobre Abraão, passa pela entrada do povo no Egito, bem como a saída de lá e a chegada na terra prometida, comenta sobre a construção do templo e confirma que os profetas que anunciaram a Jesus, foram mortos antes dele. E que o próprio Jesus foi morto. Estevão termina deixando claro que os seus acusadores não escutam o Espírito Santo, por isso procedem de forma errada. Talvez por isso ele não perdeu tempo tentando explicar as acusações, mostrando onde havia erro. Aqueles homens eram guiados pelo engano e não dariam atenção para a coisa certa. Só ouviam e achavam certo o que na verdade era errado.

Há casos assim em nossos dias. Por mais que a verdade seja mostrada, o que errado é tido em alta conta. Os seres humanos, ligados ao cristianismo ou não, obedecem a tendência de acreditar no que é errado e fantasioso, mas deixam de lado o que realmente é verdade. Alguns ainda se gabam de observar a coerência, a lógica de determinadas coisas, mas se avaliarmos friamente essa "coerência" ou "lógica", há falhas importantes. Agora, mesmo dentro de questões de fé, podemos ver a coerência. A Bíblia é repleta de profecias sobre o que vivemos nos nossos dias, mas há quem acredite que é apenas uma situação corriqueira. Era assim antes de Jesus vir, continuou assim depois que Ele veio, muitos não entenderam que o Seu trabalho era maior, e ainda há quem espere pelo Messias (entre os judeus). Há interpretações Bíblicas que levantam controvérsias. E as pessoas acreditam mais facilmente no que está realmente errado e aceitam a coerência ou a lógica, mesmo que haja falhas. Desde muito tempo, a humanidade prefere acreditar na mentira da serpente do que na verdade da Palavra de Deus. E deixa de ouvir o que o Espírito Santo diz.

Precisamos, como Estevão, ouvir do próprio Espírito Santo. O fato de nos dizermos cristãos, ou até mesmo sermos reconhecidos por outros assim, não nos dá a certeza que ouvimos do Espírito! Precisamos ser realmente pessoas que buscam a vontade de Deus, deixando o que é errado, que é tudo o que não é a vontade de Deus. Não apenas o que é reconhecido como errado, mas aquilo que não é a vontade de Deus para nós. Buscando ao Senhor, desejando viver em santidade. Assim, não seremos levados em roda por vento de doutrina nem por erros absurdos que muitos apresentam hoje em dia, dentro ou fora do cristianismo. Que aqueles que não estão ouvido do Espírito Santo possam ser como Saulo, que quando Estevão morre, ele está junto, mas logo teve uma experiência com o Senhor e mudou de vida. Que possamos ouvir sempre do Espírito Santo e anunciar a vontade do Senhor.

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 02/03/10 por e-mail.