Salmo 119.121-128

11/02/2010

 

121 Tenho praticado a retidão e a justiça; não me abandones aos meus opressores.
122 Fica por fiador do teu servo para o bem; não me oprimam os soberbos.
123 Os meus olhos desfalecem à espera da tua salvação e da promessa da tua justiça.
124 Trata com o teu servo segundo a tua benignidade, e ensina-me os teus estatutos.
125 Sou teu servo; dá-me entendimento, para que eu conheça os teus testemunhos.
126 É tempo de agires, ó Senhor, pois eles violaram a tua lei.
127 Pelo que amo os teus mandamentos mais do que o ouro, sim, mais do que o ouro fino.
128 Por isso dirijo os meus passos por todos os teus preceitos, e aborreço toda vereda de falsidade.


Este trecho refere-se a 16ª letra do alfabeto hebraico -
ע - "ayin".

O salmista tem convicção de sua fé e de sua posição diante da mesma. Sabe no que acredita e tem certeza que vive de acordo com o ensinamento da Lei. Logo, confia no Senhor para ser seu "fiador para o bem", não permitindo que ele seja oprimido por soberbos, ou aqueles que não se submetem ao entendimento da vontade do Senhor. Sua convicção é tamanha que espera no Senhor como fiador, como quem "pague sua dívida", se necessário, em seu lugar. No caso, entendo, a "fiança" era a esperança na espiritualidade, na eternidade e nós podemos apontar claramente para o Fiador: Jesus!

Nossa esperança está em aguardar na benignidade do Senhor. Essa é a medida que podemos e devemos esperar: Graça! Não há outra expectativa que devemos ter diante das pessoas e/ou circunstâncias. A graça do Senhor nos basta e cuida para que os exageros não nos afundem dentro da tristeza. Como já escrevi outras vezes, negar a tristeza é uma grande bobagem. Vivemos momentos em que ela se abate e não há erro nisso! O erro é exagerarmos esse momento (não é bem assim e queremos dizer que é) ou nos entregarmos para a tristeza, deixando de lado a confiança de que o Senhor pode agir e mudar a história. E não adianta dizer que acredita, mas viver como se não acreditasse! A tristeza é parte integrante desta vida, mas temos a certeza que do Senhor vem o cuidado tanto durante esse tempo como para nos dar nova direção, indo para longe dessa tristeza. Confiar na benignidade do Senhor é saber que Ele cuida de nós em todo o tempo! E viver como quem realmente acredita nisso.

O salmista vive isso e nos convida a viver da mesma forma. Almejar a vontade do Senhor, conhecer e querer a manifestação do Senhor mais até que qualquer bem desejável (no caso, a comparação é com o ouro). A piedade vale muito mais para o crente que qualquer tipo de ambição humana. Afinal, viver de acordo com a vontade do Senhor nos leva a ter uma vida em abundância e isso desde já! Mesmo no meio das dificuldades, não permanecemos prostrados ou desesperançados! Do Senhor vem o cuidado e podemos viver essa vida em abundância desde já, desde agora. Mais que a ausência de problemas, temos a certeza do cuidado do Senhor, qualquer que seja a situação. E podemos confiar, sentindo no coração uma paz que não pode ser entendida por quem não vive essa realidade. Ainda que no meio de problemas e dificuldades, ainda que tristes, sentimos essa paz que está além do entendimento humano e sabemos que o Senhor está cuidando de tudo. Pode estar doendo, mas Ele cuida de tudo. E mais ainda: confiamos para além dos dias que vivemos por aqui, confiamos para a eternidade. Logo, essa busca e confiança nas coisas do Senhor deve ser constante em nossa vida e como era para o salmista, mais desejável que qualquer coisa desejável!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 11/02/10 por e-mail.