Importa antes obedecer a Deus que aos homens

26/01/2010


Atos dos Apóstolos 5.17-32

17 Levantando-se o sumo sacerdote e todos os que estavam com ele (isto é, a seita dos saduceus), encheram-se de inveja,
18 deitaram mão nos apóstolos e os puseram na prisão pública.
19 Mas de noite, um anjo do Senhor abriu as portas do cárcere e, tirando-os para fora, disse:
20 Ide, apresentai-vos no templo e falai ao povo todas as palavras desta vida.
21 Ora, tendo eles ouvido isto, entraram de manhã cedo no templo e ensinavam. Chegando, porém o sumo sacerdote e os que estavam com ele, convocaram o sinédrio, com todos os anciãos dos filhos de Israel e enviaram guardas ao cárcere para trazê-los.
22 Mas os guardas, tendo lá ido, não os acharam na prisão; e voltando, lho anunciaram,
23 dizendo: Achamos realmente o cárcere fechado com toda a segurança, e as sentinelas em pé às portas; mas, abrindo-as, a ninguém achamos dentro.
24 E quando o capitão do templo e os principais sacerdotes ouviram estas palavras ficaram perplexos acerca deles e do que viria a ser isso.
25 Então, chegou alguém e lhes anunciou: Eis que os homens que encerrastes na prisão estão no templo, em pé, a ensinar o povo.
26 Nisso, foi o capitão com os guardas e os trouxe, não com violência, porque temiam ser apedrejados pelo povo.
27 E tendo-os trazido, os apresentaram ao sinédrio. E o sumo sacerdote os interrogou, dizendo:
28 Não vos admoestamos expressamente que não ensinásseis nesse nome? E eis que enchestes Jerusalém dessa vossa doutrina e quereis lançar sobre nós o sangue desse homem.
29 Respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Importa antes obedecer a Deus que aos homens.
30 O Deus de nossos pais ressuscitou a Jesus, ao qual vós matastes, suspendendo-o no madeiro;
31 sim, Deus, com a sua destra, o elevou a Príncipe e Salvador, para dar a Israel o arrependimento e remissão de pecados.
32 E nós somos testemunhas destas coisas, e bem assim o Espírito Santo, que Deus deu àqueles que lhe obedecem.

Os apóstolos continuavam realizando o trabalho, pessoas continuavam se convertendo, as coisas continuavam acontecendo. Mas, uma coisa que não aconteceu no primeiro momento (pessoas que não estavam de acordo não se aproximavam no começo), aconteceu agora. Os apóstolos são alvos de inveja, porque o trabalho começa a dar muitos frutos. Logo, são presos, numa possível tentativa de dispersar o grupo que já estava próximo. E, claro, para ver se aqueles homens paravam de falar em nome de Jesus.

Muitas vezes nos pegamos com medo de perseguição. Alguns até acham que se há perseguição, há algum erro, algum pecado, pois Deus não iria permitir se tudo estivesse em ordem. Bom... Se é assim, acho que temos um problema aqui. Os apóstolos são perseguidos e presos. Não havia nada de errado no trabalho deles. Eles realizavam a vontade do Senhor, mas ainda assim passaram pela perseguição e prisão. Logo, há momentos que podemos estar com tudo em ordem, realizando a vontade do Senhor, e ainda assim, sofrer perseguição.

Nesse caso, foi para que houvesse o milagre da libertação sem ninguém entender o que estava acontecendo. Mas há outros casos (e veremos no próprio texto de Atos), que a perseguição levou até a morte. Se estamos realizando a vontade do Senhor, não importa o que aconteça em nossa vida: será para o louvor da glória do nome do Senhor. É claro que não iremos provocar nada. Devemos apenas fazer a vontade do Senhor e deixar Ele operar.

Depois que a "fuga" foi descoberta, os perseguidores ainda queriam acabar com o trabalho dos apóstolos, que voltaram a realizar a vontade do Senhor. Quando fazemos a vontade do Senhor, mesmo que a perseguição se levante, a calúnia ou o que quer que seja, devemos prosseguir fazendo a vontade do Senhor. Há momentos que desanima. Eu sei por passar por algumas situações... Mas a certeza do cuidado do Senhor e a manifestação de que Ele está no controle nos dá a convicção de que vale a pena seguir fazendo a vontade do Senhor, independente das circunstâncias! Faça o mesmo e, como os apóstolos, tenha certeza que o que importa é fazer a vontade do Senhor!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 26/01/10 por e-mail.