Com você

20/11/2009

 

Mesmo antes de ser pai, eu entendia uma coisa: muitas vezes, para ensinar algo a um filho, acabamos sendo duros em algumas decisões, mesmo que duros apenas do ponto de vista de uma criança, claro, mas isso não implica que gostemos de fazer aquilo. Muitas vezes, até podemos fazer, com o coração apertado, mas para ensinar, é necessário fazer. Claro que a criatividade deve ser constante na vida dos pais, para que possam realmente ensinar e não apenas gerar medo na criança.

Hoje, como pai, vivo essa experiência: nem sempre fico contente ao fazer algo ao meu filho com o objetivo de ensinar. E mesmo que eu tenha que chorar longe dele (e, sinceramente, não adepto da teoria machista de que "homem não chora"), tenho que manter a posição firme para que ele possa aprender o melhor caminho. Sempre com criatividade, claro, pois quero ensinar e não criar medo...

Não sei o que realmente houve na ilustração abaixo e se essa foi a decisão mais criativa. Mas, como exemplo, nos mostra como devemos agir para ensinar nossas crianças.

 

do site: sitedopastor.com.br

Certa vez um pai deu um castigo ao filho:

- Dormir no sótão.

Lá pela meia-noite o pai foi vê-lo e o encontrou com os olhos arregalados.

- Pai, deixe-me ir dormir na minha cama.

- Não, meu filho, você foi rebelde e precisa aprender a arcar com as consequências dos seus atos.

- Mas, pai, eu tenho medo de ficar aqui sozinho.

- Então, o papai vem dormir com você.


Porque o Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho.

Hebreus 12.6

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 20/11/09 por e-mail.