Falar do que se conhece

08/09/2009


Atos dos Apóstolos 1.1-5

1 Fiz o primeiro tratado, ó Teófilo, acerca de tudo quanto Jesus começou a fazer e ensinar,
2 até o dia em que foi levado para cima, depois de haver dado mandamento, pelo Espírito Santo, aos apóstolos que escolhera;
3 aos quais também, depois de haver padecido, se apresentou vivo, com muitas provas infalíveis, aparecendo-lhes por espaço de quarenta dias e lhes falando das coisas concernentes ao reino de Deus.
4 Estando com eles, ordenou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, a qual (disse ele) de mim ouvistes.
5 Porque, na verdade, João batizou em água, mas vós sereis batizados no Espírito Santo, dentro de poucos dias.

Muitos estudiosos defendem que o Evangelho de Lucas e Atos dos Apóstolos seriam, originalmente, um único livro. E que com o passar do tempo, o final do Evangelho e o início do livro de Atos ganharam textos apenas para dividir os livros. Outros, acreditam na possibilidade realmente de dois textos escritos por Lucas para Teófilo, um gentio convertido, talvez até mesmo alguém com alta honra e posição social (uma vez que Lucas chega a chamá-lo, por exemplo, no início do Evangelho, de excelentíssimo). Teófilo pode ser, ainda, apenas uma pessoa dentre as qualificadas como "amigos de Deus", que tenham interesse em conhecer as coisas do Senhor e a atividade do Espírito Santo, e aí o Doutor Lucas não teria escrito para uma pessoa em particular, mas para todos os "amigos de Deus", todos que tivessem interesse em conhecer a história, pois Teo significa Deus e Filós, amigo.

O texto de Atos começa lembrando do Evangelho, dos ensinamentos, que Senhor padeceu, das provas que estava vivo, e que continuou ensinando nos dias que andou com os discípulos depois da ressurreição.

Acredito que o ponto alto deste início de relato de Atos dos Apóstolos seja a recomendação para permanecer em Jerusalém para experimentarem o Batismo com o Espírito Santo. Logo depois da morte de Jesus, os discípulos estavam tristes e com medo. Após a ressurreição, eles ganham novo ânimo. Mas, em poucos dias, Jesus subiria aos céus. Será que os discípulos teriam novamente o momento de fraqueza em seus pensamentos? Possivelmente. Era necessário que algo acontecesse para marcar esse novo momento da caminhada dos discípulos. E isso seria o Batismo com o Espírito Santo. No Batismo com água de João, vem o convite para o arrependimento e a mudança de vida. Agora, era o momento de selar essa mudança, para anunciar aos outros com convicção as coisas do Reino de Deus. Mesmo sem a "presença" física de Jesus, que os motivava. Agora, com Jesus "ausente" (apenas fisicamente falando, claro), o Consolador traria esse consolo para suportarem essa "ausência" e traria para a memória tudo o que aprenderam, dando novo vigor para seguir na caminhada.

Muitas vezes passamos por momentos onde temos o vigor espiritual para enfrentar qualquer dificuldade. Mas há momentos que desanimamos. Fica o convite: não deixe o desânimo derrubar você! Quando algo acontecer, permaneça em Jerusalém e busque o Consolador! Quer dizer: fique na presença do Senhor, busque a vontade Dele e aguarde a manifestação completa do Senhor. Não se ausente da presença do Senhor. Não deixe o desânimo te afastar disso! "Fique em Jerusalém", continue buscando ao Senhor. E logo você vai sentir o vigor espiritual renovado, pode ter certeza disso!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 08/09/09 por e-mail.