Somos chamados para agir no temor do Senhor

03/06/2009

 

E deu-lhes ordem, dizendo: Assim procedei no temor do Senhor, com fidelidade e com coração perfeito - 2 Crônicas 19.9

Este texto aparece no meio da nomeação de Josafá, chamando Juízes no meio do povo. Esses juízes deveriam fazer o julgamento quando houve qualquer controvérsia.

Acontece que, humanamente falando, estar numa posição dessas é complicado. Isso porque corremos o risco de avaliar de maneira tendenciosa uma situação, podemos não ter conhecimento de todos os detalhes e tomar uma posição errada. É algo que demanda muito compromisso com a busca do Senhor, para ter sabedoria do Alto para decidir corretamente.

E Josafá dá a instrução contida no texto que motiva nossa meditação hoje para esses que deveriam julgar: proceder no temor do Senhor, com fidelidade e com coração perfeito. Vejo claramente a preocupação de Josafá nessa instrução em recomendar a busca do Senhor. Afinal, proceder no temor do Senhor é agir buscando a orientação Dele em cada passo e em cada decisão. A fidelidade e o coração perfeito seriam consequências naturais da busca do Senhor, para tomar a decisão não de acordo com o próprio entendimento, mas de acordo com a vontade do Senhor. Era necessário manter fidelidade ao Senhor e ter coração perfeito, para não deixar o lado humano falar mais alto, mas deixar o Senhor falar através da decisão.

Não é algo simples. Mas é o princípio que nos norteia ao lembrarmos que não devemos julgar as pessoas. E precisamos viver isso. Julgar simplesmente na condição humana é correr o risco de não ter visto todas as possibilidades e achar que algo está errado antes de poder definir. Agora, buscar isso no Senhor é avaliar as situações não apenas com a direção de nossa vontade, mas de acordo com o querer do Senhor. Antes de decidirmos sobre algo, temos que deixar o Senhor nos mostrar a profundidade da situação. Nossa avaliação pode ser superficial e errada, ainda que mostre pontos corretos. Mas ao buscar no Senhor, teremos condições de entender de forma profunda, pois o julgamento não vai partir de nossa própria vontade, não estaremos simplesmente julgando o que vemos, mas teremos a chance de ter a revelação do melhor caminho da parte do Senhor. Julgar, não deve fazer parte de nossa atitude, mas temos que buscar no Senhor o entendimento das coisas para não agirmos ou pensarmos de forma errada ou até compactuando com um erro. O Senhor nos mostrará, basta buscarmos com temor, fidelidade e coração perfeito, desejoso de saber a verdade!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 03/06/09 por e-mail.