Consolidação da Nação

05/05/2009

 

Neemias 11.1-19

1 Ora, os príncipes do povo habitaram em Jerusalém; e o restante do povo lançou sortes, para trazer um de cada dez que habitasse na santa cidade de Jerusalém, ficando nove nas outras cidades.
2 E o povo bendisse todos os homens que voluntariamente se ofereceram para habitar em Jerusalém.
3 Estes, pois, são os chefes da província que habitaram em Jerusalém; porém nas cidades de Judá habitou cada um na sua possessão, nas suas cidades, a saber, Israel, os sacerdotes, os levitas, os netinins e os filhos dos servos de Salomão.
4 E habitaram em Jerusalém alguns dos filhos de Judá e dos filhos de Benjamim. Dos filhos de Judá: Ataías, filho de Uzias, filho de Zacarias, filho de Amarias, filho de Sefatias, filho de Maalelel, dos filhos de Pérez;
5 e Maaséias, filho de Baruque, filho de Col-Hoze, filho de Hazaías, filho de Adaías, filho de Joiaribe, filho de Zacarias, filho de Silôni.
6 Todos os filhos de Pérez que habitaram em Jerusalém foram quatrocentos e sessenta e oito homens valentes.
7 São estes os filhos de Benjamim: Salu, filho de Mesulão, filho de Joede, filho de Pedaías, filho de Colaías, filho de Maaséias, filho de Itiel, filho de Jesaías.
8 E depois dele Gabai, Salai, ao todo, novecentos e vinte e oito.
9 Joel, filho de Zicri, superintendente sobre eles; e Judá, filho de Senua, o segundo sobre a cidade.
10 Dos sacerdotes: Jedaías, filho de Joiaribe, Jaquim,
11 Seraías, filho de Hilquias, filho de Mesulão, filho de Zadoque, filho de Meraiote, filho de Altube, príncipe sobre a casa de Deus;
12 e seus irmãos que faziam a obra da casa, oitocentos e vinte e dois; e Adaías, filho de Jeroão, filho de Pelalias, filho de Anzi, filho de Zacarias, filha de Pasur, filho de Malquias,
13 e seus irmãos, cabeças de casas paternas, duzentos e quarenta e dois; e Amassai, filho de Azarel, filho de Aazai, filho de Mesilemote, filho de Imer,
14 e os irmãos deles, homens valentes, cento e vinte e oito; e o superintendente sobre eles era Zabdiel, filho de Hagedolim.
15 Dos levitas: Semaías, filho de Hassube, filho de Azricão, filho de Hasabias, filho de Buni;
16 Sabetai e Jozabade, dos cabeças dos levitas, presidiam o serviço externo da casa de Deus;
17 Matanias, filho de Mica, filho de Zabdi, filho de Asafe, o dirigente que iniciava as ações de graças na oração, e Baquebuquias, o segundo entre seus irmãos; depois Abda, filho de Samua, filho de Galal, filho de Jedútun.
18 Todos os levitas na santa cidade foram duzentos e oitenta e quatro.
19 Também os porteiros, Acube, Talmom, e seus irmãos, os guardas das portas, foram cento e sessenta e dois.


A volta para casa mostrou um grande senso de responsabilidade. Em uns momentos, esse senso foi importante, pois acelerou a observação das coisas certas, mas em outros (como na reconstrução do templo, que demora para ser terminada alguns anos) fez com que o povo fosse cuidadoso demais e fez demorar algumas coisas.

O fato é que no momento do texto de hoje, era tempo de consolidar a nação. Primeiramente, observa-se a questão de espaço e faz-se a divisão dos que iriam para Jerusalém e para outras cidades. No texto de hoje, vemos a confirmação do que foram para Jerusalém.

Insisto em um ponto interessante, já abordado em outras meditações: nomes são citados, marcando épocas e pessoas, o que serve para comprovações de historicidade dos eventos, principalmente quando a arqueologia e a história são levantadas nos locais onde os eventos aconteceram. Com a confirmação desses nomes, se a arqueologia encontrar algo que confirme um evento desses, a Bíblia mais uma vez, como em tantas outras descobertas (algumas anunciadas, outras ainda sem o devido anúncio), será confirmada em sua historicidade e em seus eventos.

Era tempo de consolidar a Nação. Pense na sua vida: um dia, talvez, você tenha vivido longe das coisas de Deus. Quer por conhecer e se afastar, quer por má interpretação ou até mesmo por não ter tido um contato sério com as coisas de Deus. O motivo, é o que menos importa neste momento. O que importa para o nosso exemplo, é pensar no tempo que você pode ter vivido longe de Deus. Num belo dia, você descobre a Verdade, tem um encontro verdadeiro com o Senhor e é apresentado ao querer de Deus. Você tem duas opções: aceitar e viver de acordo com a vontade de Deus ou negar e seguir seu caminho. Pensando no exemplo de Israel, eles se afastram da Verdade, foram para o Exílio, se arrependeram e tiveram a chance de retornar para casa. Primeiramente, colocaram as construções em ordem. Reconstruíram, como nós devemos fazer ao deixar o caminho errado e reconstruir de acordo com a vontade do Senhor. Depois, buscaram um novo conhecimento a respeito da Palavra do Senhor, para eles já tão distante. Algumas coisas eram lembradas, mas anos vivendo de forma errada os afastou dessa Palavra. Talvez nós tenhamos momentos assim, já tenhamos vivido ou estejamos vivendo isso: estamos longe do Senhor, mas temos a chance de conhecer Sua vontade. Quando o povo conheceu, por um momento ameaçou desanimar, mas logo buscaram forças e seguiram em frente em conhecer a vontade do Senhor. Não desanime! Siga em frente! E logo você estará consolidando o seu conhecimento da vontade do Senhor e vivendo da forma que é o querer Dele. Estará estabelecido e o cuidado do Senhor será sobre você, pode ter certeza disso. Vale a pena conhecer e viver de acordo com a vontade do Senhor!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 05/05/09 por e-mail.