Os falsos mestres

26/03/2009

 

O Companheiro, volume I – Editora Vida

Extraído do site PILB - Programa de Incentivo a Leitura da Bíblia


Leitura Bíblica: I Timóteo 4:1-2; 6:3-5

Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios... antes tem o seu prazer na lei do Senhor. Salmo 1:1-2

Talvez você já tenha escutado um amigo contar acerca de um livro que ele leu ou de um programa de televisão que assistiu, mas a versão do que os personagens disseram ou fizeram era completamente incorreta. O que o seu amigo disse não parecia a verdadeira história.

Há pessoas que fazem isto com a Palavra de Deus. Eliminam umas partes da Bíblia e tiram sessões do contexto para respaldar seu ponto de vista. Fazem que a Bíblia diga o que elas querem que diga em lugar do que Deus disse na realidade. Em seguida, ensinam a outras pessoas todas estas ideias falsas e causam desentendimento e confusão. A Bíblia chama essas pessoas de falsos mestres que torcem as Escrituras.

Paulo enviou Timóteo, seu ajudante, à igreja de Éfeso para corrigir os problemas que os falsos mestres haviam causado ali.

Um dos primeiros sinais de um falso mestre é que suas ideias são fábulas, coisas que ele inventou. Seus ensinos não estão de acordo com a Bíblia. Em vez de ajudar as demais pessoas a entenderem mais a Palavra de Deus e saberem mais acerca de Deus, os falsos mestres os afastam da verdade.

Paulo, em I Timóteo 4:2, diz que a consciência dos falsos mestres está endurecida. Não prestam atenção ao que o Espírito Santo diz. Agiram assim por tanto tempo que suas consciências se cauterizaram. Como você pode enfrentar os falsos mestres? Estudando e recordando ao que a Bíblia ensina. Também escutando e respeitando seus pastores e professores cristãos. Você nunca saberá o que a Bíblia diz se não empregar o tempo necessário para estudá-la.

Comunique-se com Deus através da oração e escute a voz do Espírito Santo. Assim você caminhará pela estrada correta e poderá evitar o engano dos falsos mestres.


Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 26/03/09 por e-mail.