Somos chamados para testemunhar com autoridade a ressurreição de Jesus

21/01/2009

 

Com grande poder os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus e em todos eles havia abundante graça - Atos 4.33

Ao ler o texto acima, que fala sobre testemunhar com poder, alguns podem confundir com sinais, com maravilhas, com o que deve acompanhar aquele que crer. Pode ser isso, claro! O testemunho com a realização de sinais em o Nome do Senhor pode realmente falar com muita autoridade a respeito do que o Senhor é e faz.

Mas o texto fala que os apóstolos, com grande poder, davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus. Ao fechar a questão nesse testemunho, acredito que o texto fala de autoridade, de testemunhar com propriedade, de forma convincente.

Há um livro, que já indicamos a leitura no Compartilhando Na Web que trata sobre um testemunho, na minha opinião, com muita autoridade, com muito poder, sobre a ressurreição de Jesus. O título do livro é "Mais que um Carpinteiro". Fala sobre um professor de história, que se considerava ateu, e que se converteu diante do fato inegável da ressurreição de Jesus. Para ele, o testemunho de um dos apóstolos era chave para que ele tivesse certeza da ressurreição de Jesus. O autor fala que é através do testemunho de Pedro que se pode ter certeza da ressurreição de Jesus, afinal, no dia da prisão de Jesus, Pedro estava com medo de ser preso com Jesus e poderia até mesmo morrer. A atitude de negar Jesus poderia gerar em Pedro o mesmo remorso que foi gerado em Judas e algo trágico também poderia ter acontecido com a vida de Pedro.

No entanto, em muito pouco tempo, um espaço de tempo pequeno demais para qualquer possibilidade de recomposição psicológica, o mesmo Pedro que estava com medo de morrer com Jesus e O nega, está pregando abertamente sobre a ressurreição de Jesus, pronto até mesmo para morrer por conta dessa pregação. O autor acha mais difícil acreditar que Pedro tenha roubado e escondido o corpo de Jesus e por conta de uma mentira estar pronto para morrer do que acreditar que Pedro realmente viu algo que mudou completamente sua forma de pensar e de ver as coisas. Pouco tempo depois, Pedro tinha voltado para "sua vida" como pescador e é lá que Jesus o encontra. Logo, ele poderia somente ter voltado para "sua vida" e deixado tudo aquilo de lado. No entanto, algo tem que ter acontecido que fez com que Pedro deixasse de novo a possibilidade de viver sua vida de pescador e, mais que isso, estivesse pronto para morrer por conta de sua pregação de que Jesus estava vivo!

O testemunho de Pedro, para o autor do livro "Mais que um Carpinteiro" foi lógico demais e cheio de autoridade, de poder. Para ele, era impossível acreditar que Pedro tivesse se recomposto psicologicamente e estivesse pronto para morrer por uma mentira que, talvez, ele mesmo tivesse inventado: a ressurreição de Jesus. Algo tinha que ter acontecido mesmo. É isso que mostra um testemunho com poder, com autoridade: é inegável que algo inexplicável, se não for explicado pela ação de Deus, realmente aconteceu. É não ter como explicar de nenhuma outra forma, é ter argumentos que chegam num ponto onde: ou foi Deus agindo ou eu não sei o que foi.

Você já deve ter vivido momentos assim. Talvez tenha várias situações para testemunhar que sejam muito poderosas, cheias de autoridade, a respeito da ação do Senhor, que Ele realmente interfere em nossa vida, que faz sempre o melhor, quando deixamos Ele agir. Se não tem em sua vida, conhece pessoas ou já ouviu testemunhos de desconhecidos que podem falar alto sobre o poder do Senhor, podem falar mesmo de maneira poderosa, cheia de autoridade, onde não tem outra opção: ou foi Deus ou ninguém sabe o que aconteceu.

Mesmo que não tenha em sua vida ou não conheça pessoas que tenham testemunhado ou mesmo não tenha ouvido testemunhos de desconhecidos, ainda assim você vai encontrar nas páginas da Bíblia exemplos irrefutáveis da ação do Senhor. E o testemunho de Pedro, por exemplo, pode realmente ser uma ferramenta poderosa para confirmar a ressurreição de Jesus, pois até um escritor que se julgava ateu teve que mudar de ideia diante do testemunho desse apóstolo. Há situações que ninguém consegue explicar, que as tentativas saem até mesmo da lógica e se não aceitarmos que foi Deus agindo, não teremos uma resposta que realmente explique o ocorrido. Testemunhos assim, inegáveis, são testemunhos cheios de autoridade e poder.

Na próxima semana vamos voltar ao mesmo texto, mas com outra parte que é muito importante para ter um testemunho cheio de autoridade: a graça! Afinal, autoridade e poder não são simplesmente mandar ou ser ouvido. Há algo mais, que deve estar presente na autoridade, no poder de quem prega o Evangelho e vamos escrever na próxima semana.


Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 21/01/09 por e-mail.