Salmo 85

07/08/2008

 

Pede-se o perdão de Deus
Ao mestre de canto. Salmo dos filhos de Corá

1 Mostraste favor, Senhor, à tua terra; fizeste regressar os cativos de Jacó.
2 Perdoaste a iniquidade do teu povo; cobriste todos os seus pecados.
3 Retraíste toda a tua cólera; refreaste o ardor da tua ira.
4 Restabelece-nos, ó Deus da nossa salvação, e faze cessar a tua indignação contra nós.
5 Estarás para sempre irado contra nós? Estenderás a tua ira a todas as gerações?
6 Não tornarás a vivificar-nos, para que o teu povo se regozije em ti?
7 Mostra-nos, Senhor, a tua benignidade, e concede-nos a tua salvação.
8 Escutarei o que Deus, o Senhor, disser; porque falará de paz ao seu povo e aos seus santos, contanto que não voltem à insensatez.
9 Certamente que a sua salvação está perto daqueles que o temem, para que a glória habite em nossa terra.
10 A benignidade e a fidelidade se encontraram; a justiça e a paz se beijaram.
11 A fidelidade brota da terra, e a justiça olha desde o céu.
12 O Senhor dará o que é bom, e a nossa terra produzirá o seu fruto.
13 A justiça irá adiante dele, marcando o caminho com as suas pegadas.


Este é mais um salmo atribuído os filhos de Corá.

Neste salmo vemos tanto o reconhecimento da atuação misericordiosa do Senhor, como há o pedido para que isso continue sendo uma realidade. Quer dizer que o povo reconhece que o Senhor já agiu assim e espera mais uma vez essa manifestação! Mostra claramente que os feitos do Senhor no passado revelam que Ele pode agir assim tanto no presente como no futuro.

Parece que este salmo se apresenta como um reconhecimento pela misericórdia do Senhor em libertar o povo do exílio, o que fez lembrar da saída do Egito e cada ato de misericórdia e poder ali revelado e agora, existe a esperança de um restabelecimento depois da volta para casa. Um local que foi destruído e que teve que ser reconstruído, como vemos em Esdras e Neemias, principalmente. Mas podemos acompanhar um pouco disso também nos livros dos profetas Zacarias e Ageu, que tiveram sua atividade profética nesse mesmo período.

O reconhecimento da misericórdia em atos anteriores e até mesmo no fim do exílio faz com que o povo já celebre ao Senhor por Sua misericórdia. Mas ainda há uma expectativa do que será desse momento em diante! Voltaram para casa, mas ainda há muito que ser feito: reconstrução física e moral da nação, busca de novo reconhecimento de fronteiras, estabelecimento de suas observações políticas e religiosas. Assim, olhar para o passado faz naturalmente o povo buscar força no que o Senhor já fez (quer num passado mais distante, quer num passado mais recente) e pode fazer novamente. Esse olhar para o passado se dá na busca do que já aconteceu, mas não para apenas louvar pelo que já foi! Existe o louvor pelo que já foi, mas existe muito mais a esperança de que o Senhor vai se manifestar novamente!

Ao olhar para o passado, o povo quer reedificar a confiança, a busca, para permanecer na vontade do Senhor. Quer viver a alegria no Senhor, em Sua vontade, não no que está estabelecido, no que parece bom. Mas naquilo que o Senhor tem de melhor, ainda por manifestar.

A esperança pela produção de bom fruto mostra o quanto o salmista não despreza as bênçãos materiais! Agora, vemos que o salmo todo está mais preocupado com a misericórdia e o perdão, a manifestação do Senhor em todas as áreas, quer materiais, quer espirituais.

Da mesma forma, devemos olhar para o passado e notar o que o Senhor já fez. Afinal, quando alguém nos conta um testemunho, por mais atual que seja, ele já aconteceu! Assim, isso é olhar para o passado. Mas olhamos para esse passado para buscar forças para agir no presente. Olhar para o passado deve ser um exercício para buscarmos novos e melhores caminhos para o presente. Não devemos olhar o passado apenas para suspirar ou lamentar! Ele deve servir como fonte de inspiração para buscarmos o melhor! O que vem da parte de Deus para nós.

Olhamos para o passado quando lemos muitos textos Bíblicos. Mas devemos buscar inspiração para seguir em frente! Porque o Senhor age na história e aponta para o futuro, onde passaremos com Ele a eternidade. Se observamos o que Ele já fez, saberemos que Ele pode agir de novo. Não necessariamente da mesma forma, mas vai agir. Sempre da melhor forma, se nos dispusermos à Sua vontade.

Devemos confiar no agir do Senhor e nos apresentar para viver de acordo com a vontade Dele. Esse é o melhor para todos nós!

 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 07/08/08 por e-mail.