Clemente e Misericordioso

29/07/2008

 

Neemias 9.17b - Tu, porém, és um Deus pronto para perdoar, clemente e misericordioso, tardio em irar-te e grande em beneficência, e não os abandonaste.

Toda a história que envolve Esdras e Neemias é repleta de momentos onde notamos claramente a bondade do Senhor, Sua disposição em perdoar. Afinal, antes desses dois homens, o povo foi levado para o exílio, por conta de desobediência. No exílio, o povo é tratado pelo Senhor e se arrepende de seus erros!

Depois desse arrependimento, o Senhor termina esse processo de tratamento. O povo entendeu o erro e se arrependeu disso! Muitas vezes reconhecemos um erro, mas tentamos explicar o mesmo das mais variadas formas e dando nomes diferentes, por parecer algo diferente. Sempre temos explicações e razões para justificar um erro! E fica parecendo que pode, que nem é mesmo um erro...

Mais complicado ainda na minha opinião, é a capacidade humana de se envolver em algo errado, tentar achar o lado positivo do erro, tentar explicar que existem razões para aquela situação, tentando fazer parecer que nem é um erro e, diante da possibilidade do acerto, da correção, achar explicações para manter o que está fazendo, mesmo que seja um erro! Afinal, já está estabelecido, já existem "explicações" que fazem parecer que o erro nem é um erro de fato, e aparecem explicações para se manter naquilo! A capacidade humana de se manter no que já está estabelecido é algo que pode complicar a possibilidade de deixar algo errado e nos fazer caminhar na direção do acerto, da correção.

Não foi porque o povo já tinha mantido o erro durante muito tempo, muitas vezes talvez com explicações, que não houve mudanças! Houve arrependimento! Houve mudança em relação à vontade de Deus, que não mudou em nenhum momento. Ele esperava esse arrependimento, para abençoar o povo. E se esse arrependimento não acontecesse, Ele cumpriria a palavra, afinal o povo fez um compromisso com o Senhor e se seguisse a vontade Dele, seria abençoado, mas se deixasse, teria muitos problemas (só lemos os primeiros quatorze versículos do capítulo 28 de Deuteronômio, mas a maior parte dos versículos - de 15 até 68 - dá ênfase nos problemas em deixar de seguir a vontade do Senhor!).

Quando o povo se arrependeu, o Senhor mostrou Sua capacidade em perdoar. Mesmo no exílio, não abandonou o povo. Queria que todo aquele processo servisse para que o povo entendesse o melhor, aquilo que Ele tinha para realizar. Que o povo deixasse a própria vontade, a comodidade do que já estava sendo feito e que parecia dar resultados (que até parecia certo), para realizar o que de fato era certo, mudando o quadro para seguir em direção à vontade do Senhor.

Diante da disposição do povo em seguir nessa direção, o Senhor mostrou Sua capacidade de perdoar. Assim é que Ele age: se nos dispusermos a mudar o quadro, deixando a comodidade do que muitas vezes parece bom e certo, mas que está distante da vontade do Senhor, e deixarmos o melhor acontecer, veremos grandes coisas da parte do Senhor. O povo teve que trabalhar para ver a mudança em alguns momentos, na reconstrução e guardando a cidade. Mas em outros já receberam grandes dádivas, sem nem mesmo fazer grande esforço.

Deixar a comodidade do que já está acontecendo e que parece estar dando certo para seguir na direção da vontade do Senhor pode ser assim: em alguns momentos vamos ter que nos esforçar e realizar muitas coisas, mas o próprio Deus nos dará as estratégias e a força para a realização. Ainda que pareça difícil, logo veremos o melhor! E em outros momentos, vamos receber dádivas até mesmo sem esforço algum! A grande vantagem de fazer a vontade do Senhor é que não parecerá bom; será bom de fato! Não vai ser bom por um pouco de tempo, não vai parecer que está faltando algo; será completo e será bom sempre, mesmo no meio de uma dificuldade, pois o Senhor nos dará uma paz que vai além do entendimento humano. Essa paz já vale a pena: não importa a dificuldade! Teremos paz e, ainda que tenhamos dificuldade por um tempo, logo as coisas se resolverão! Fazendo o errado, ainda que pareça bom, sempre vai parecer que falta algo! E logo o que parece bom, se tornará em tristeza...

Por isso, vale a pena deixar a comodidade do que parece bom e certo, se arrepender de erros, e deixar o Senhor fazer a obra. Vamos experimentar o melhor da parte Dele!

 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 29/07/08 por e-mail.