Salmo 73

20/03/2008

 

O problema da prosperidade dos maus
Salmo de Asafe

1 Verdadeiramente bom é Deus para com Israel, para com os limpos de coração.
2 Quanto a mim, os meus pés quase resvalaram; pouco faltou para que os meus passos escorregassem.
3 Pois eu tinha inveja dos soberbos, ao ver a prosperidade dos ímpios.
4 Não há apertos na sua morte; o seu corpo é forte e sadio.
5 Não se acham em tribulações como outra gente, nem são afligidos como os demais homens.
6 Pelo que a soberba lhes cinge o pescoço como um colar; a violência os cobre como um vestido.
7 Os olhos deles estão inchados de gordura; trasbordam as fantasias do seu coração.
8 Motejam e falam maliciosamente; falam arrogantemente da opressão.
9 Põem a sua boca contra os céus, e a sua língua percorre a terra.
10 Pelo que o povo volta para eles e não acha neles falta alguma.
11 E dizem: Como o sabe Deus? E: Há conhecimento no Altíssimo?
12 Eis que estes são ímpios; sempre em segurança, aumentam as suas riquezas.
13 Na verdade, em vão tenho purificado o meu coração e lavado as minhas mãos na inocência,
14 pois todo o dia tenho sido afligido e castigado cada manhã.
15 Se eu tivesse dito: Também falarei assim; eis que me teria havido traiçoeiramente para com a geração de teus filhos.
16 Quando me esforçava para compreender isto, achei que era tarefa difícil para mim,
17 até que entrei no santuário de Deus; então, percebi o fim deles.
18 Certamente tu os pões em lugares escorregadios, tu os lanças para a ruína.
19 Como caem na desolação num momento! Ficam totalmente consumidos de terrores.
20 Como faz com um sonho o que acorda, assim, ó Senhor, quando acordares, desprezarás as suas fantasias.
21 Quando o meu espírito se amargurava, e sentia picadas no meu coração,
22 estava embrutecido, e nada sabia; era como animal diante de ti.
23 Todavia, estou sempre contigo; tu me seguras a mão direita.
24 Tu me guias com o teu conselho e depois me receberás em glória.
25 A quem tenho eu no céu senão a ti? E na terra não há quem eu deseje além de ti.
26 A minha carne e o meu coração desfalecem; do meu coração, porém, Deus é a fortaleza e o meu quinhão para sempre.
27 Pois os que estão longe de ti perecerão; tu exterminas todos aqueles que se desviam de ti.
28 Mas para mim, bom é aproximar-me de Deus; ponho a minha confiança no Senhor Deus, para anunciar todas as suas obras.


Este salmo é atribuído a Asafe.

Vemos no início do salmo o salmista em crise: ele observa que quem segue contrário ao caminho do Senhor consegue algumas coisas e ele, por pouco, quase não se rendeu a mesma situação, ao erro, tentando ter os benefícios aparentes dessa situação. Por pouco ele não vacila na fé!

Muitas vezes nos vemos em situações assim: temos a impressão que quem faz as coisas erradas consegue se dar bem e que nós, tentando fazer coisas certas, passamos por dificuldades em algumas situações. Parece que a impunidade não é só uma realidade no que diz respeito as leis não cumpridas, mas também se revela aparentemente até mesmo em situações que envolvem religiosidade ou compromisso com Deus, onde pessoas que não se preocupam com isso seguem tranquilas e quem se preocupa, parece ter o caminho mais difícil.

Ao passar por isso, podemos vacilar em nossa fé! Podemos achar que vale a pena fazer alguma coisa errada para conseguir algum objetivo. Mas não vale! Não devemos vender nossa consciência, a tranquilidade de colocar a cabeça no travesseiro. Podemos, é claro, buscar outras alternativas, mas sem ir pelo caminho errado!

O salmista observa essa aparente falta de dificuldade dos que seguem fora dos caminhos do Senhor, inclusive com mostras de boa saúde. É exatamente por conta dessas coisas que ele chega quase a querer fazer as mesmas coisas, na esperança de ter menos dificuldades. Mas essa vantagem do ímpio é aparente e momentânea. Logo, vale a pena seguir debaixo da vontade do Senhor, pois isso sim será duradouro! Algo que se manifeste da parte do Senhor será completo e não aparente!

Todas as coisas erradas que os ímpios fazem geram a crise no salmista, pois ele espera uma punição! No entando, a confiança no Senhor passar por saber esperar! Ter fé é crer em coisas que nem mesmo parecem possíveis. É confiar que o Senhor fará o melhor, mesmo que pareça estranho.

A crise do salmista termina quando ele declara que espera no Senhor. Não tem a confiança em situações ou pessoas. Confia no Senhor. Da mesma forma, podemos até balançar em algum momento! Ser tentado não é pecado! O pecado passar a existir quando caímos em tentação. Assim, balançar diante de uma crise é humano! Não podemos, ao balançar, deixar que isso seja mais forte que nossa confiança no Senhor e acabar indo pelo caminho errado. Podemos buscar alternativas, sem sair do caminho do Senhor, claro! E assim, teremos experiências muito mais fortes que nos darão força para seguir em frente mesmo no meio da dificuldade, pois saberemos em temos crido! E saberemos esperar o melhor do Senhor, não no nosso tempo, mas no tempo de Deus.

 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 20/03/08 por e-mail.