A raposa e o lenhador

14/03/2008

 

Todas as noites ao retornar do trabalho, a raposa ficava feliz com a chegada do lenhador.

Os seus vizinhos alertavam que a raposa era um bicho, um animal selvagem, e portando, não era confiável. Quando ela sentisse fome comeria a criança.

O lenhador sempre retrucando com os vizinhos, falava que isso era uma grande bobagem. A raposa era sua amiga e jamais faria isso.

Os vizinhos insistiam:

- “Lenhador abra os olhos ! A raposa vai comer seu filho.”

- “Quando sentir fome, comerá seu filho !

Um dia, o lenhador muito exausto do trabalho e muito cansado desses comentários, ao chegar em casa viu a raposa sorrindo como sempre e sua boca totalmente ensanguentada!

O lenhador suou frio e sem pensar duas vezes acertou o machado na cabeça da raposa ...

Ao entrar no quarto desesperado, encontrou seu filho no berço dormindo tranquilamente e, ao lado do berço, uma cobra morta ...

O lenhador enterrou o machado e a raposa juntos.

Se você confia em alguém, não importa o que os outros pensem a respeito, siga sempre o seu caminho e não se deixe influenciar. Aceite como sugestão, verifique o que pode ser verdade, mas não aceite simplesmente sem avaliar antes!

E, principalmente: não tome decisões precipitadas...

 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 14/03/08 por e-mail.