Salmo 63

10/01/2008

 

Buscando a Deus
Salmo de Davi, quando no deserto de Judá

1 Ó Deus, tu és o meu Deus; ansiosamente te busco. A minha alma tem sede de ti; a minha carne te deseja muito em uma terra seca e cansada, onde não há água.
2 Assim, no santuário te contemplo, para ver o teu poder e a tua glória.
3 Porquanto a tua benignidade é melhor do que a vida, os meus lábios te louvarão.
4 Assim, eu te bendirei enquanto viver; em teu nome levantarei as minhas mãos.
5 A minha alma se farta, como de tutano e de gordura; e a minha boca te louva com alegres lábios.
6 Quando me lembro de ti no meu leito, e medito em ti nas vigílias da noite,
7 pois tu tens sido o meu auxílio; de júbilo canto à sombra das tuas asas.
8 A minha alma se apega a ti; a tua destra me sustenta.
9 Mas aqueles que procuram a minha vida para a destruírem, irão para as profundezas da terra.
10 Serão entregues ao poder da espada, servidão de pasto aos chacais.
11 Mas o rei se regozijará em Deus; todo o que por ele jura se gloriará, porque será tapada a boca aos que falam a mentira.


Mais um salmo atribuído a Davi.

Logo no começo, ele mostra a sede que tem de buscar ao Senhor. Essa deve ser nossa disposição, a cada dia! Buscar a vontade do Pai deve ser prioridade em nosso viver. Não porque estamos convencidos, mas porque temos sede, porque sentimos vontade, falta.

Observando o poder, a glória, a benignidade do Senhor, Davi se declara um adorador. Há muitos outros motivos para adorarmos e buscarmos ao Senhor. Você pode ampliar essa lista! Você pode partir de uma observação e fazer uma lista de motivos porque você adora ao Senhor. Mas, muito mais que achar os motivos, tenha a disposição interna dessa busca.

Quando realizamos isso em nossa vida, como o salmista, podemos notar a ação de Deus em nosso viver. No mínimo, nos dando uma paz, mesmo no meio de uma grande dificuldade. E quantas vezes podemos sentir a presença do Senhor, agindo, nos dando discernimento, nos orientando a tomar cuidado, nos dando livramento...

O salmista se sente satisfeito. Esse sentimento, essa satisfação, deve realmente fazer parte de nossa vida, quando buscamos ao Senhor, não porque devemos sentir isso, mas porque sentiremos isso. Não adianta afirmar que sente se não sente. Isso não é fé! Fé é sentir mesmo quando as circunstâncias estão contrárias. Não é simplesmente afirmar. É sentir, mesmo quando nem teria como sentir.

Observando cada atuação do Senhor, trazendo isso na memória, podemos ter forças para enfrentar a dificuldade. Lembrar que Ele já agiu nos dá a certeza que vai agir de novo, pois Ele não muda! Em vez de ficar pensando na dificuldade, podemos pensar na ação do Senhor. O problema estará diante de nós, é fato. Não devemos negar, mas confiar no Senhor. E essa confiança não é somente sem ver nada. Nós já vimos, soubemos, lemos, ouvimos o que o Senhor já fez. Podemos confiar e aguardar!

Não importa a dificuldade. Não importa quem caluniou você. Isso machuca, causa problemas. Mas o importante é saber em Quem cremos e no que Ele já fez. Podemos aguardar do Senhor sempre o melhor. Quer seja um livramento, não deixando nem mesmo que passemos pelo problema, quer seja a força para enfrentar o problema, ou ainda a solução. O que virá, será o melhor, ainda que aos nossos olhos possa parecer estranho. No tempo certo entenderemos qual é o melhor de Deus para cada situação. Podemos confiar!

 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 10/01/08 por e-mail.