Salmo 61

27/12/2007

 

Oração pelo rei
Ao mestre de canto. Com instrumentos
de cordas. De Davi

1 Ouve, ó Deus, o meu clamor; atende à minha oração.
2 Desde a extremidade da terra clamo a ti, estando abatido o meu coração; leva-me para a rocha que é mais alta do que eu.
3 Pois tu és o meu refúgio, uma torre forte contra o inimigo.
4 Deixa-me habitar no teu tabernáculo para sempre; dá que me abrigue no esconderijo das tuas asas.
5 Pois tu, ó Deus, ouviste os meus votos; deste-me a herança dos que temem o teu nome.
6 Prolongarás os dias do rei; e os seus anos serão como muitas gerações.
7 Ele permanecerá no trono diante de Deus para sempre; faze que a benignidade e a fidelidade o preservem.
8 Assim, cantarei louvores ao teu nome perpetuamente, para pagar os meus votos de dia em dia.


Mais um salmo atribuído a Davi.

Vemos logo no começo do salmo o clamor de Davi ao Senhor. Ele deixa claro sua angústia, que seu coração está abatido. Já escrevi em outras oportunidades: não adianta negar o problema! Ele não vai embora só por negarmos sua existência. Nossa atitude é seguir em frente, com fé e com força dada pelo Senhor, enfrentando o problema. Ele já agiu e continuará agindo. Quer seja nos dando a solução de maneira milagrosa, ou nos mostrando o que devemos fazer para resolver (nesse caso, também nos dará a força para executar), ou despertando alguém para nos ajudar, e sempre nos dando força para enfrentar.

Davi fez assim e foi reconhecido como o homem segundo o coração de Deus (Atos 13.22). Ele não negava o problema! Ele até se angustiava com as crises que passava. Mas acreditava na força do Senhor para enfrentar e no direcionamento para a solução. Não se lamentava no problema. Reconhecia sua crise e angústia, mas declarava sua confiança no Senhor. É assim que devemos seguir.

Davi buscou ao Senhor no meio de sua crise. Declarou sua confiança. Ele só poderia realmente viver dessa forma por ter intimidade com o Senhor, por saber como Ele agia e saber que podia esperar o cuidado da parte do Senhor. Só poderemos viver essa certeza quando realmente tivermos intimidade com o Senhor, buscando em oração, leitura da Palavra, meditação, em adoração, em santidade, em louvor...

A confiança de Davi vai além de seus dias. Ele espera que o trono do rei seja mantido para sempre diante de Deus. Era a expectativa messiânica, a consciência que o Senhor cumpriria a promessa feita de que não faltaria descendente em seu trono. Muitas vezes vemos apenas as coisas em nossos dias, nos problemas e soluções atuais. O Senhor nos chama a olharmos mais para frente. Confiar em Sua manifestação e em Seu cuidado não apenas para cada dia, mas por toda a eternidade. Claro que vamos sentir isso no dia-a-dia! Mas a confiança da ação do Senhor deve ir além. Confiamos para hoje, mas confiamos também para a eternidade. Nenhum dos planos do Senhor pode ser frustrado! E Ele ama você. Não importa a inquietação que você está vivendo hoje. No mundo, temos aflições. Mas devemos ter bom ânimo, fé, pois o Senhor já venceu o mundo e com Ele somos mais que vencedores (leia João 16.33 e Romanos 8.18-39).

Cantar louvores perpetuamente é louvar ao Senhor, é reconhecer Sua atuação. Davi, confiado no agir de Deus, ainda no meio do problema, sabe que pode contar com a solução e deseja louvar ao Senhor. Seu coração está sofrido por estar enfrentando um problema, mas por fé ele sabe que poderá continuar cantando louvores ou declarando esse louvor (já que não louvamos apenas com canções, mas com a nossa atitude de vida, com declarações de louvor e por aí vai). E nos ensina isso: ainda que estejamos sofrendo, podemos confiar que louvaremos ao Senhor por ver aquela angústia solucionada. Não negando o problema, mas confiando na solução. E o Senhor fará. Já fez e continuará fazendo. Confie!

 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 27/12/07 por e-mail.