Comentário devocional do Apocalipse

19/12/2007

 

Apocalipse 21.9- 22.5

9 E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das sete últimas pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a noiva, a esposa do Cordeiro.
10 E levou-me em espírito a um grande e alto monte, e mostrou-me a santa cidade de Jerusalém, que descia do céu da parte de Deus,
11 tendo a glória de Deus; e o seu brilho era semelhante a uma pedra preciosíssima, como se fosse jaspe cristalino;
12 e tinha um grande e alto muro com doze portas, e nas portas doze anjos, e nomes escritos sobre elas, que são os nomes das doze tribos dos filhos de Israel.
13 Ao oriente havia três portas, ao norte três portas, ao sul três portas, e ao ocidente três portas.
14 O muro da cidade tinha doze fundamentos, e neles estavam os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro.
15 E aquele que falava comigo tinha por medida uma cana de ouro, para medir a cidade, as suas portas e o seu muro.
16 A cidade era quadrangular; e o seu comprimento era igual à sua largura. E mediu a cidade com a cana e tinha ela doze mil estádios; e o seu cumprimento, largura e altura eram iguais.
17 Também mediu o seu muro, e era de cento e quarenta e quatro côvados, segundo a medida de homem, isto é, de anjo.
18 O muro era construído de jaspe, e a cidade era de ouro puro, semelhante a vidro límpido.
19 Os fundamentos do muro da cidade estavam adornados de toda espécie de pedras preciosas. O primeiro fundamento era de jaspe; o segundo, de safira; o terceiro, de calcedônia; o quarto, de esmeralda;
20 o quinto, de sardônica; o sexto, de sárdio; o sétimo, de crisólito; o oitavo, de berilo; o nono, de topázio; o décimo, de crisópraso; o undécimo, de jacinto; o duodécimo, de ametista.
21 As doze portas eram doze pérolas; cada uma das portas era de uma só pérola; e a praça da cidade era de ouro puro, transparente como vidro.
22 Nela não vi santuário, porque o seu santuário é o Senhor Deus, Todo-Poderoso, e o Cordeiro.
23 A cidade não necessita nem do sol, nem da lua, para que nela resplandeçam, porém a glória de Deus a tem alumiado, e o Cordeiro é a sua lâmpada.
24 As nações andarão à sua luz; e os reis da terra trarão para ela a sua glória.
25 As suas portas não se fecharão de dia, e noite ali não haverá;
26 e a ela trarão a glória e a honra das nações.
27 E não entrará nela coisa alguma impura, nem o que pratica abominação ou mentira; mas somente os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro.

22 E mostrou-me o rio da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro.
2 No meio da sua praça, e de ambos os lados do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a cura das nações.
3 Ali não haverá jamais maldição. Nela estará o trono de Deus e do Cordeiro, e os seus servos o servirão,
4 e verão a sua face; e nas suas frontes estará o seu nome.
5 E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de luz de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os alumiará; e reinarão pelos séculos dos séculos.


Esta semana, vamos fazer uma descrição das pedras que fazem parte do fundamento do muro da cidade. Conhecendo algumas coisas sobre elas, podemos depois meditar sobre o que cada uma quer dizer ao fazer parte dessa descrição:

Safira:
Gema preciosa, azul, extremamente duras e resistentes ao calor. Antes da 1ª Guerra Mundial, eram amplamente usadas em mecanismos de relógios e em instrumentos de medição elétrica. Ela integra o grupo dos óxidos. Em geral contém alumínio e pequenas quantidades de ferro e titânio. Quando não há esta inclusão, ela é incolor. Como o rubi, ela pesa 4 vezes mais que a água. A safira é uma variedade do coríndon, um mineral muito duro. O coríndon vermelho é chamado rubi, e, quando usada sozinha, a palavra "safira" significa que a gema é azul. Uma das qualidades mais extraordinárias é o pleocroísmo, que significa que absorvem a luz de maneiras diferentes, conforme a sua direção: motivo pelo qual vemos uma mistura de azul-intenso e azul-esverdeado quando a olhamos por diferentes ângulos.

Calcedônia:
É uma das variedades criptocristalinas do mineral quartzo, tendo um brilho graxo. Pode ser semi-transparente ou translúcida e é geralmente branca a cinzenta, cinzento-azulada ou em alguma tonalidade de marrom, às vezes quase preta. Outras tonalidades recebem nomes diferentes. Uma calcedônia vermelha é conhecida como cornalina ou sárdio; uma variedade verde colorida por óxido de níquel é chamada crisoprásio. Prase é um verde maçante. Plasma é uma calcedônia de cor clara a verde-esmeralda que é encontrada às vezes com pequenos pontos de jaspe assemelhando-se a gotas de sangue; foi chamada de pedra sangue ou heliotropo. Calcedônia é um dos poucos minerais com exceção do quartzo que é encontrado em geodos (formações rochosas que ocorrem em rochas sedimentares e certas rochas vulcânicas. São essencialmente cavidades que se formam nas rochas, apresentando-se revestidas por formações cristalinas, muitas vezes apresentando a forma de faixas concêntricas. O exterior dos geodos mais comuns é geralmente constituído por calcário, enquanto que o interior contém cristais de quartzo e/ou depósitos de calcedónia. Outros geodos apresentam-se completamente preenchidos com cristais, apresentando-se como uma massa sólida, e tomam o nome de nódulos. Os geodos podem formar-se em qualquer cavidade enterrada. Estas cavidades podem ser bolhas de gás em rochas ígneas, bolsas sob as raízes de árvores, vesículas em lava após uma erupção vulcânica ou mesmo tocas de animais. Com o tempo, a parede externa da cavidade endurece, e os silicatos e carbonatos dissolvidos depositam-se na superfície interior; o fornecimento lento de constituintes minerais pelas águas subterrâneas ou por soluções hidrotermais, permite a formação de cristais no interior da câmara oca. Ao longo de milhões de anos após a sua formação, o geode regressa à superfície através de processos geológicos correntes).

Esmeralda:
As esmeraldas são muito preciosas, porém, raramente são perfeitas e muitas vezes são preenchidas de óleo para disfarçar as imperfeições. Mas os estudiosos concordam que a visão que João teve era da esmeralda perfeita! No Céu não há impurezas!

A esmeralda é a variedade verde do mineral berilo. É uma das pedras mais preciosas da Terra. E vemos com isso que no Céu temos coisas maravilhosas!

A esmeralda tem uma aparência vítrea, brilhante, e, quando examinada de perto, revela os tons amarelos e azuis que se combinam para formar o verde dominante. Isso é chamado de pleocroísmo discreto.

A esmeralda é bastante resistente, e é uma pedra difícil de derreter: o calor consegue no máximo arredondar as beiras de fragmentos pequenos.

Sardônica:
Mineral fibroso e calcedônico, variedade de quartzo cristalino similar ao ônix e a ágata. Consiste de camadas de cornalina alternadas com calcedônia branca. Quando na cor vermelha, tem a presença de impurezas de óxido de ferro.

Sárdio:
O sárdio pode ser marrom, laranja ou vermelho. Seu nome deriva do grego "Sardios", que significa "pedra de Sardes", antiga cidade da atual Turquia, perto da qual os primeiros e belos espécimes foram encontrados.

O sárdio é um mineral firme: risca facilmente vidro, aço e outros materiais comuns, mas pode ser arranhado pelo topázio. Sua resistência o torna particularmente adequado a uma série de ornamentos. Uma de suas principais limitações, porém, reside no fato de ser poroso (absorve líquidos): isso significa que precisa ser mantido longe de gorduras e ácidos, que podem corroer sua estrutura interna e alterar-lhe a cor. Mais uma vez: No Céu não há impurezas!

Crisólito:
Literalmente "pedra dourada". Uma pedra de cor amarela de identificação incerta.

Berilo:
Os cristais hexagonais do berilo podem ser de tamanho muito pequeno ou atingir dimensões de alguns metros. Os cristais terminados são relativamente raros.

O berilo puro é incolor, mas é matizado frequentemente por impurezas; as cores possíveis são verde, azul, amarelo, vermelho, e branco. O seu nome tem origem no grego beryllos (bela cor azul-esverdeada da água do mar).

O elemento químico berílio, um metal alcalino terroso, é obtido do minério de berilo. Uma das formas mais comuns na natureza é a Esmeralda, um pedra preciosa de cor característica verde.

Topázio:
O topázio é uma pedra preciosa cintilante que emana uma bela luz natural. Apesar de bastante dura, é rara demais para ser usada como ferramenta industrial. O topázio pode não ter cor, ou aparecer em uma série de cores diferentes. As variedades mais valiosas são o topázio xerez, que é amarelo, e o topázio imperial, que é cor de laranja. Pode ser encontrado também em cristais brancos, cinza, azuis, marrons, verdes, rosa-choque ou púrpura: além de incolor. O topázio não se dissolve em ácidos e não derrete se aquecido em uma chama.

Crisópraso:
O crisopraso moderno é uma gema transparente de cor verde maçã, sendo uma variedade da calcedônia.

Jacinto:
Termo antigo que se pode aplicar a várias gemas: variedade alaranjada de grossulária (hessonite), zircão vermelho-acastanhado e, menos frequentemente, safira alaranjada. Todavia, tradicionalmente, refere-se ao zircão e à granada.

Ametista:
Pedra, cuja cor natural é muitas vezes irregular, é aquecida para espalhar a cor violeta de menira mais homogênea. É encontrada púrura ou violeta-azulada. Muitas vezes, a cor púpura da pedra aparece em fragmentos irregulares ou desiguais; em outros casos, só aparece nos cantos extremos dos cristais, sendo o resto transparente. Por muito tempo achou-se que a sua cor provinha do metal manganês, presente no cristal mineral. Contudo, esse fato não foi comprovado e, quando aquecidas por tempo demais, as ametistas podem se tornar amarelas, marrons ou verdes.
As ametistas são uma variedade de quartzo.

Maranata!

 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 19/12/07 por e-mail.