Salmo 45

23/08/2007

 

O Ungido de Deus e a sua noiva
Ao mestre de canto. Segundo a melodia
"Os lírios". Dos filhos de Corá. Salmo didático.
Cântico de amor

1 O meu coração trasborda de boas palavras; dirijo os meus versos ao rei; a minha língua é qual pena de um hábil escriba.
2 Tu és o mais formoso dos filhos dos homens; a graça se derramou nos teus lábios; por isso, Deus te abençoou para sempre.
3 Cinge a tua espada à coxa, ó valente, na tua glória e majestade.
4 E em tua majestade cavalga vitoriosamente pela causa da verdade, da mansidão e da justiça, e a tua destra te ensina coisas terríveis.
5 As tuas flechas são agudas no coração dos inimigos do rei; os povos caem debaixo de ti.
6 O teu trono, ó Deus, subsiste pelos séculos dos séculos; cetro de equidade é o cetro do teu reino.
7 Amaste a justiça e odiaste a iniquidade; por isso Deus, o teu Deus, te ungiu com óleo de alegria, mais do que a teus companheiros.
8 Todas as tuas vestes cheiram a mirra, a aloés e a cássia; dos palácios de marfim ressoam os instrumentos de cordas e te alegram.
9 Filhas de reis estão entre as tuas ilustres donzelas; à tua mão direita está a rainha, ornada de ouro de Ofir.
10 Ouve, filha, e olha, e inclina teus ouvidos; esquece-te do teu povo e da casa de teu pai.
11 Então, o rei se afeiçoará à tua formosura. Ele é teu senhor, presta-lhe, pois, homenagem.
12 A filha de Tiro estará ali com presentes; os ricos do povo suplicarão o teu favor.
13 A filha do rei está esplendente lá dentro do palácio; as suas vestes são entretecidas de ouro.
14 Em vestidos de cores brilhantes será conduzida ao rei; as virgens, suas companheiras que a seguem, serão trazidas à tua presença.
15 Com alegria e regozijo serão trazidas; elas entrarão no palácio do rei.
16 Em lugar de teus pais estarão teus filhos; tu os farás príncipes sobre toda a terra.
17 Farei lembrado o teu nome de geração em geração; pelo que os povos te louvarão eternamente.

Este salmo também é atribuído aos filhos de Corá.

Podemos notar nesse salmo um padrão de cântico de casamento, falando de união, representado no desejo de união entre o Messias, na época esperado, e o seu povo.

Logo no começo, vemos o salmista apresentando sua declaração de amor ao Senhor, deixando claro que busca deixar seu coração transbordar de boas palavras. Quer agradar ao Senhor com o que fala. Mais que isso, quer que o seu falar seja de fato oferecido ao Senhor. Isso mostra que ele tem que se preocupar com o que vai falar mesmo!

No v. 2, o salmista declara as qualidades daquele que será o noivo. Aplica-se a Cristo! O Messias, na época, ainda esperado. Falando de sua graça e beleza, na verdade, quer expressar Suas qualidades espirituais. Claro que, como escrevi no começo, esse salmo era possivelmente usado em cerimônias de casamento e poderia, claro, expressar o que os noivos sentiam um pelo outro. E dentro desse sentimento humano, o salmista também se preocupa em expressar o paralelo simbólico da união do povo com o Messias.

Na expressão do salmista, falando da união do Messias com o povo, ele descreve o Noivo como um vitorioso. E como tal, é digno de adoração (v. 3-5). Ele reina como Deus, com autoridade sem precedentes entre os homens, pois está acima deles, independente de, naquele tempo em que o salmo foi escrito, ainda ser esperado para viver entre os homens. Poderia (como foi) se colocar na situação humana e se apresentar na carne. Viver como cada um de nós, mas ainda assim, seria (e é) Alguém com destaque (v. 6-9).

A noiva deve dar atenção ao Noivo. Sendo a noiva a representação do povo de Deus e o Noivo, o próprio Cristo, claro, devemos dar atenção ao que Ele nos fala, ao que Ele quer de nós e para nós. Dessa forma, dando atenção ao Noivo, a noiva deve esquecer das coisas do mundo, das outras coisas ao redor, pois não há nada melhor que dar atenção ao noivo.

É dessa forma que devemos viver. Devemos dar atenção maior às coisas do Senhor que as coisas do mundo. Temos, claro, responsabildiades neste mundo. Mas, em nossas atitudes e decisões, devemos privilegiar a vontade do Senhor. Em nosso trabalho, não devemos fazer coisas erradas. Devemos fazer aquilo como se fosse para o Senhor! Afinal, quer comamos ou bebamos, devemos fazer para a Glória do Senhor. Devemos realizar cada uma de nossas atitudes como se fizéssemos para Deus e não para os homens (Colossenses 3.23). Para realizar nossas atitudes como se fosse para o Senhor, devemos saber Sua vontade, ouvir o que Ele quer e dar atenção ao Seu querer. Assim, viveremos para agradar a Deus e receberemos Dele o melhor para o nosso viver.

 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 23/08/07 por e-mail.