Salmo 42

26/07/2007


A alma anela por Deus
Ao mestre de canto. Salmo didático
dos filhos de Corá

1 Como a corça anseia pelas correntes das águas, assim a minha alma anseia por ti, ó Deus!
2 A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando entrarei e verei a face de Deus?
3 As minhas lágrimas têm sido o meu alimento de dia e de noite, porquanto se me diz constantemente: Onde está o teu Deus?
4 Dentro de mim derramo a minha alma ao lembrar-me de como eu ia com a multidão, guiando-a em procissão à casa de Deus, com brados de júbilo e louvor, uma multidão que festejava.
5 Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei pela salvação que há na sua presença.
6 Ó Deus meu, dentro de mim a minha alma está abatida; porquanto me lembrarei de ti desde a terra do Jordão, e desde o Hermom, desde o monte Mizar.
7 Um abismo chama outro abismo ao ruído das tuas catadupas; todas as tuas ondas e vagas têm passado sobre mim.
8 Contudo, de dia o Senhor ordena a sua bondade, e de noite a sua canção está comigo, uma oração ao Deus da minha vida.
9 A Deus, a minha rocha, digo: Por que te esqueceste de mim? Por que ando em pranto por causa da opressão do inimigo?
10 Como com ferida mortal nos meus ossos me afrontam os meus adversários, dizendo-me continuamente: Onde está o teu Deus?
11 Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele que é o meu socorro e o meu Deus.

Salmo atribuído aos filhos de Corá, que deveriam ser cantores no Templo, como Asafe. Também pode ser de Davi ou ter contato com com sua participação na compilação final do texto.

Vemos neste salmo uma grande confusão de sentimentos e emoções. Tristeza e alegria, medo e fé, dúvida e devoção... Nada mais humano!

O salmista deixa claro que espera pelo Senhor. Que anseia comunhão com Deus. Nosso desejo deve ser este. Exatamente porque a confusão de sentimentos expressa neste salmo é marca em nossa vida. Devemos buscar ao Senhor o tempo todo, para poder resistir no momento em que os sentimentos entrem em conflito. No momento em que a humanidade fale alto, precisamos buscar no Santo e Eterno a direção e a força para seguir na caminhada.

O abatimento pode ser tanto por conta de momentos de crises pessoais como por conta da tentativa de outras pessoas que acabam nos derrubando, nos desafiando em nossa fé e esperança (v. 3). Talvez o abatimento possa nos atingir por conta de outros problemas e aqueles que estão ao nosso redor, e que não confiam no Senhor, podem tentar nos desanimar ainda mais em nossa fé. Diante disso, devemos firmar nossa confiança no que o Senhor já fez e no que cremos que Ele pode fazer ainda!

Podemos nos sentir como o salmista: apertados em nossa confiança, diante das crises do dia-a-dia, acrescidas pelo tormento de outras pessoas que duvidam do agir do Senhor, que questionam se Ele age mesmo, até porque se agisse, não haveria essa tristeza em nós... Mas Ele age sim! Devemos nos lembrar do que já aconteceu, tanto em nossa vida, de como o Senhor agiu, ou na vida de pessoas próximas, ou em testemunhos que já ouvimos ou até mesmo das páginas da Bíblia, que estão repletas de situações onde parecia que não tinha solução e o Senhor agiu! Devemos nos lembrar dos momentos felizes para enfrentar os difíceis. O salmista faz isso (v. 4)...

Não há dificuldade que venha e que possa nos desviar do cuidado do Senhor. Elas podem acontecer, mas o cuidado do Senhor é maior que a dificuldade. Ainda que sejam muitas as aflições, sabemos que a misericórdia do Senhor se renova a cada manhã!

Se observarmos isso, ainda que as dificuldades sejam muitas, veremos que o agir do Senhor até acima delas. Poderemos, como o salmista, no meio da crise e da inquietação, declarar: "Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele que é o meu socorro, e o meu Deus." - v. 11.
 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 26/07/07 por e-mail.