Salmo 41

19/07/2007


A calúnia dos inimigos e o socorro de Deus
Ao mestre de canto. Salmo de Davi

1 Bem-aventurado é aquele que considera o pobre; o Senhor o livrará no dia do mal.
2 O Senhor o guardará, e o conservará em vida; será abençoado na terra; tu, Senhor, não o entregarás à vontade dos seus inimigos.
3 O Senhor o sustentará no leito da enfermidade; tu lhe amaciarás a cama na sua doença.
4 Disse eu da minha parte: Senhor, compadece-te de mim, sara a minha alma, pois pequei contra ti.
5 Os meus inimigos falam mal de mim, dizendo: Quando morrerá ele e perecerá o seu nome?
6 E, se algum deles vem ver-me, diz falsidades; no seu coração amontoa a maldade; e quando ele sai, é disso que fala.
7 Todos os que me odeiam cochicham entre si contra mim; contra mim maquinam o mal, dizendo:
8 Alguma coisa ruim se lhe apega; e agora que está deitado, não se levantará mais.
9 Até o meu próprio amigo íntimo em quem eu tanto confiava, e que comia do meu pão, levantou contra mim o seu calcanhar.
10 Mas tu, Senhor, compadece-te de mim e levanta-me, para que eu lhes retribua.
11 Com isso conheço eu que te deleitas em mim, por não triunfar contra mim o meu inimigo
12 Quanto a mim, tu me sustentas na minha integridade e me colocas diante da tua face para sempre.
13 Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, de eternidade a eternidade. Amém e amém.

A ação social é defendida neste texto. Aquele que pode ajudar quem precisa de ajuda, deve fazer isso! Será bem aventurado por realizar essa ajuda.

Mas é claro que não podemos limitar a questão de ser "pobre" apenas a uma questão física! O Senhor não se preocupa apenas com o físico, mas também com o espiritual. E quantos em nosso mundo são pobres espiritualmente, fraquejando na fé ou até mesmo acreditando em coisas erradas...

Então, aquele que é rico espiritualmente também deve se dispor a ajudar aquele que é pobre espiritualmente. Quem pode, deve ajudar fisicamente e quem pode, por ter riqueza espiritual, deve evangelizar, apresentar a mensagem do Evangelho para aquelas pessoas que são "pobres" espiritualmente falando, que carecem de conhecimento da Verdade que liberta!

E não podemos nos esquecer de outra coisa: quando fazemos ou lemos a Oração Dominical (Dominical - Domini = Senhor), o "Pai Nosso", observamos que a instrução de Jesus foi a de que devemos pedir perdão ao Senhor da mesma forma que nós perdoamos a outras pessoas (Mateus 6.9-13 - atenção no v. 12). Com isso, vemos que claramente o Senhor age em nossa direção da mesma forma que agimos com outras pessoas. Claro que não é regra, mas muitas vezes apenas recebemos de volta o que nós mesmos praticamos. Alguns defendem isso como regra e que isso é "carma". Eu costumo dizer quando alguém fala isso: "Muita CARMA nessa hora!".

Claro que se agirmos de forma errada receberemos de volta algo ruim. Mas isso não é regra! Nem sempre recebemos de volta algo ruim que praticamos. Existe a ação de Deus e podemos até errar e conseguir misericórdia a tal ponto que nem mesmo tenhamos algo de volta, nem mesmo as consequências de nossos atos. E pode acontecer de não fazermos nada de errado e termos que enfrentar situações ruins (como foi com Jó). Logo, não é regra! Mas quando agimos de forma correta com as outras pessoas, será mais fácil recebermos isso de volta e quando agirmos de forma ruim, a mesma coisa. Apenas será mais fácil, não será regra, pois os desígnios de Deus não são conhecidos e ninguém Lhe deu instrução antes (Romanos 11.33-36). Ele pode agir da forma como entender melhor, pois Ele é Deus! E alguém pode ser livrado de consequências, e será para louvar ao Senhor. E se alguém não tiver feito nada de errado e mesmo assim passar por problemas, será para louvar ao Senhor, quer seja para conhecê-Lo melhor no tempo da angústia, quer seja para testemunhar a força que Deus deu para enfrentar a dificuldade (em nossa fraqueza vemos claramente a manifestação da Força do Senhor - 2 Coríntios 12.7-10), ou ainda para testemunhar a ação do Senhor, nos tirando do meio da dificuldade.

Agora, aquele que serve ao Senhor, muitas vezes, possui inimigos. Até mesmo "amigos" querem ver sua destruição, quer seja com palavras imprudentes, quer seja criando mal entendidos... O salmista se vê nessa situação e fica chateado e aguarda no Senhor a resposta. Diante disso, podemos claramente entender que devemos, claro, agir diante de uma difamação! Mas não devemos esperar que a solução seja satisfatória, necessariamente, aos nossos olhos. Quem dará a resposta e no tempo certo será o Senhor! Mesmo aquele que foi íntimo, pode causar problemas dessa natureza, nos difamando. E a resposta virá do Senhor, no tempo certo.

Vamos agir, tentando resolver a situação. Mas pode ser que não dê certo. Quem nos difamou, pode não querer resolver ou quem ouviu a difamação, pode acreditar mais na difamação do que na verdade!

Por isso, o salmista deixa claro que a melhor coisa diante dessas situações é recorrer ao Senhor, pois nada do que está encoberto, permanecerá encoberto (Eclesiastes 12.13-14 e Marcos 4.22). Devemos aguardar no Senhor!

Pedimos socorro e sabemos que seremos atendidos. O Senhor cuida de nós. Não importa o tempo que demore, a solução chega. Podemos aguardar e teremos a vitória. Na verdade, Ele nos amou primeiro! Por isso, sabemos que vale a pena esperar no Senhor. E diante disso, mesmo no meio das dificuldades e difamações, só podemos louvar ao Senhor, pois Ele está no controle e vai agir. Já está agindo. E diante da ação do Senhor, só podemos louvar. Adoramos, reconhecendo que Ele é grande, Sua grandiosidade e maravilha, e que pode fazer. Louvamos, reconhecendo Sua ação.
 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 19/07/07 por e-mail.