Salmo 38

28/06/2007


Arrependimento do pecador
Salmo de Davi. Em memória

1 Ó Senhor, não me repreendas na tua ira, nem me castigues no teu furor.
2 Porque as tuas flechas se cravaram em mim, e sobre mim a tua mão pesou.
3 Não há coisa sã na minha carne, por causa da tua cólera; nem há saúde nos meus ossos, por causa do meu pecado.
4 Pois já as minhas iniquidades submergem a minha cabeça; como carga pesada excedem as minhas forças.
5 As minhas chagas se tornam fétidas e purulentas, por causa da minha loucura.
6 Estou encurvado, estou muito abatido, ando lamentando o dia todo.
7 Pois os meus lombos estão cheios de ardor, e não há coisa sã na minha carne.
8 Estou gasto e muito esmagado; dou rugidos por causa do desassossego do meu coração.
9 Senhor, diante de ti está todo o meu desejo, e o meu suspirar não te é oculto.
10 O meu coração está agitado; a minha força me falta; quanto à luz dos meus olhos, até essa me deixou.
11 Os meus amigos e os meus companheiros afastaram-se da minha chaga; e os meus parentes se põem à distância.
12 Também os que buscam a minha vida me armam laços, e os que procuram o meu mal dizem coisas perniciosas,
13 Mas eu, como um surdo, não ouço; e sou qual um mudo que não abre a boca.
14 Assim, eu sou como homem que não ouve, e em cuja boca não há com que replicar.
15 Mas por ti, Senhor, espero; tu, Senhor, meu Deus, responderás.
16 Rogo, pois: Ouve-me, para que eles não se regozijem sobre mim e não se engrandeçam contra mim quando resvala o meu pé.
17 Pois estou prestes a tropeçar; a minha dor está sempre comigo.
18 Confesso a minha iniquidade; entristeço-me por causa do meu pecado.
19 Mas os meus inimigos são cheios de vida e são fortes, e muitos são os que sem causa me odeiam.
20 Os que tornam o mal pelo bem são meus adversários, porque eu sigo o que é bom.
21 Não me desampares, ó Senhor; Deus meu, não te alongues de mim.
22 Apressa-te em meu auxílio, Senhor, minha salvação.

O salmista aqui mostra sua preocupação com sua situação. Ele não está nada bem. Reconhece que o Senhor permite alguns momentos complicados exatamente por conta de pecado cometido antes. Ele não nega que cometeu pecado! Confirma sua falta e vai além: reconhece que espera no Senhor.

Isso mostra que houve confissão. Houve arrependimento. Mas ainda assim, há consequências a serem enfrentadas. E por conta disso, há quem a sua volta se apresente para questionar sua conduta e até sua fé. Afinal, aqueles que procedem de maneira errada estão bem e ele que se arrependeu, está enfrentando consequências de um erro.

Mas o salmista não deixa de confiar, mesmo diante da dificuldade. O versículo 15 mostra claramente isso. Ele aguarda a resposta do Senhor e quer que essa resposta seja suficiente para calar aqueles que se colocam diante dele para questioná-lo e questionar sua fé, ou até mesmo para causar problemas a sua vida, aprofundando ainda mais suas dificuldades.

Como houve arrependimento, ele aguarda pelo agir do Senhor. Se ele não tivesse se arrependido, nem tinha porque esperar esse agir. Mas aguarda. Sabe que o que ainda enfrenta são consequências por conta do erro, mas melhor é ter que enfrentar alguma consequência de um erro arrependido do que sem arrependimento, porque arrependido, sabemos que podemos confiar no Senhor.

Devemos agir assim. Devemos fugir do pecado. Mas acontecendo o erro, precisamos tomar consciência do mesmo e nos arrepender de fato, não só de palavras. Aguardar que a misericórdia do Senhor se manifeste sobre nós. Mesmo que tenhamos que enfrentar consequências por conta do erro. Há situações que não dá pra não passar. Mas a misericórdia do Senhor pode se revelar tanto não permitindo que tenhamos que enfrentar as consequências de nosso erro, como nos dando força para enfrentar alguma consequência que seja necessário enfrentarmos. E mais: Quando alguém se levantar contra nós, será o Senhor que trará a solução. Podemos confiar! Se nossa vida estiver de acordo com Sua Vontade, podemos aguardar que logo o socorro nos virá, por mais complicada que esteja nossa situação. Chegará o dia que iremos olhar pra trás e notar o quanto o Senhor nos ajudou nos momentos que achávamos que não dava mais para suportar e o quanto conseguimos suportar. Chegará o dia que veremos claramente o agir do Senhor, mudando nossa situação.
Confie!
 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 28/06/07 por e-mail.