Comentário devocional do Apocalipse

06/06/2007

 

Apocalipse 14.9-12

9 Seguiu-os ainda um terceiro anjo, dizendo com grande voz: Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal na fronte, ou na mão,  
10 também o tal beberá do vinho da ira de Deus, que se acha preparado sem mistura, no cálice da sua ira; e será atormentado com fogo e enxofre diante dos santos anjos e diante do Cordeiro.  
11 A fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre; e não têm repouso nem de dia nem de noite os que adoram a besta e a sua imagem, nem aquele que recebe o sinal do seu nome.  
12 Aqui está a perseverança dos santos, daqueles que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus.  


O texto deixa claro: Não é para aceitar a marca, nem adorar a Besta ou sua imagem. A pena para tal ato é ser atormentado com fogo e enxofre - no lago preparado para tal fim que veremos em mais alguns dias.

Quem aceitar essa marca vai beber do cálice da ira de Deus, sem mistura, quer dizer, sem nenhum atenuante. Será a ira propriamente dita!

Quem não aceitar essa marca (e segundo o capítulo 13 indica que quem não aceitar não poderá fazer transações comercias oficiais) terá perseverado, guardado o mandamento do Senhor em dias que serão muito complicados, onde por desobedecer a Besta se pagará com a própria vida. Como entendemos que o arrebatamento dos crentes espirituais no momento de tal evento já terá acontecido, os que estarão aqui tendo que evidenciar que seguem os mandamentos do Senhor independente de qualquer situação serão os que se converterem nesses dias finais e os que eram crentes carnais no momento do arrebatamento (conhecedores e seguidores, mas que naquela hora, que vem como o ladrão, não estavam em ordem com o Senhor). Esses terão que dar testemunho de sua fidelidade.

Isso mostra que não é para todos realmente tal situação. Se alcançamos a salvação por GRAÇA, somos JUSTIFICADOS PELA FÉ, nossa salvação não está atrelada a necessidade de dar testemunho de nossa fidelidade para com o Senhor. Claro que já damos esse testemunho e não devemos negligenciá-lo! Mas os santos desses dias do texto são aqueles que terão que provar que servem ao Senhor, negando a Besta, mesmo que com isso percam a vida. Logo, estarão com uma condição diferente para alcançar a salvação, já que esses últimos sete anos da humanidade (a Grande Tribulação) é o mesmo período da Última Semana Profética de Daniel, que é destinada ao tratamento dos judeus. Quem entrar por essa "semana", será tratado como no Antigo Testamento, quer dizer, tendo que dar testemunho de sua fidelidade ao Senhor para obter a salvação e não apenas por Graça, como é em nossos dias, antes do início dessa última "semana".

São momentos distintos que a Bíblia apresenta e que quem entende a revelação do Arrebatamento e do Dia do Senhor de forma diferente da que apresento, encontra dificuldade para deixar claro o seu ponto de vista, sem muitas dúvidas. Entendo que o arrebatamento será antes do início da Grande Tribulação - como um ladrão, e o Dia do Senhor no final desse período - com todos os sinais que a Bíblia revela que haverá para o aparecimento do Senhor. Só separando Arrebatamento e Dia do Senhor para explicar porque a Bíblia revela que haverá um momento em que o Senhor vem como o ladrão (sem avisos) e haverá o Dia do Senhor com muitos sinais antes (avisando e muito bem). Ainda que no meio do período da última "semana" - mas isso pode fazer o evento perder seu status de "vem como o ladrão". Logo, é sem hora marcada mesmo! Pelo menos, para a nossa agenda, pois o Senhor já sabe esse dia.

Temos que anunciar! Devemos viver de tal forma que se o momento do arrebatamento for agora, estejamos incluídos nele. E temos que anunciar, porque haverá aqueles que vão entrar por esse último período da história, o que vai acontecer, para que eles vejam que anunciávamos antes mesmo dos acontecimentos! Aí terá legitimidade nossa pregação, já que ela será abafada pelos feitos da Besta e por falsas pregações que induzirão muitos ao engano. Quem entrar por esse período não pode aceitar a marca da Besta, sob pena eterna!

MARANATA!
 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 06/06/07 por e-mail.