Salmo 35

31/05/2007

 

Castigo dos adversários
Salmo de Davi

1 Contende, Senhor, com aqueles que contendem comigo; combate contra os que me combatem.
2 Pega do escudo e do pavês e levanta-te em meu socorro.
3 Tira da lança e do dardo contra os que me perseguem. Dize à minha alma: Eu sou a tua salvação.
4 Sejam envergonhados e confundidos os que buscam a minha vida; voltem atrás e se confundam os que contra mim intentam o mal.
5 Sejam como a moinha diante do vento e o anjo do Senhor os faça fugir.
6 Seja o seu caminho tenebroso e escorregadio, e o anjo do Senhor os persiga.
7 Pois sem causa me armaram ocultamente um laço; sem razão cavaram uma cova para a minha vida.
8 Sobrevenha-lhes inesperadamente a destruição, e prenda-os o laço que ocultaram; caiam eles nessa mesma destruição.
9 Então, minha alma se regozijará no Senhor; exultará na sua salvação.
10 Todos os meus ossos dirão: Ó Senhor, quem é como tu, que livras o fraco daquele que é mais forte do que ele? Sim, o pobre e o necessitado, daquele que o rouba.
11 Levantam-se testemunhas maliciosas; interrogam-me sobre coisas que eu ignoro.
12 Tornam-me o mal pelo bem, causando-me luto na alma.
13 Mas, quanto a mim, estando eles enfermos, vestia-me de pano de saco, humilhava-me com o jejum e orava de cabeça sobre o peito.
14 Portava-me como o faria por meu amigo ou meu irmão; eu andava encurvado e lamentando-me, como quem chora por sua mãe.
15 Mas, quando eu tropeçava, eles se alegravam e se congregavam; congregavam-se contra mim, homens miseráveis que eu não conhecia; difamavam-me sem cessar.
16 Como hipócritas zombadores nas festas, rangiam os dentes contra mim.
17 Ó Senhor, até quando contemplarás isto? Livra-me das suas violências; salva a minha vida dos leões!
18 Então, te darei graças na grande assembléia; entre muitíssimo povo te louvarei.
19 Não se alegrem sobre mim os que são meus inimigos sem razão, nem pisquem os olhos aqueles que me odeiam sem causa.
20 Pois não falaram de paz, antes inventam contra os quietos da terra palavras enganosas.
21 Escancararam contra mim a sua boca e dizem: Ah! Ah! Os nossos olhos o viram.
22 Tu, Senhor, o viste, não te cales; Senhor, não te alongues de mim.
23 Acorda e desperta para o meu julgamento, para a minha causa, Deus meu e Senhor meu.
24 Justifica-me segundo a tua justiça, Senhor, Deus meu, e não se regozijem eles sobre mim.
25 Não digam em seu coração: Eia! Cumpriu-se o nosso desejo! Não digam: Nós o havemos devorado.
26 Envergonhem-se e confundam-se à uma os que se alegram com o meu mal; vistam-se de vergonha e de confusão os que se engrandecem contra mim.
27 Bradem de júbilo e se alegrem os que desejam a minha justificação, e digam continuamente: Seja engrandecido o Senhor, que se deleita na prosperidade do seu servo.
28 Então, a minha língua falará da tua justiça e do teu louvor o dia todo.

Salmo atribuído ao Rei Davi.

Vemos no salmo em questão algo muito claro: o salmista está inquieto com a situação de que pessoas se levantam contra ele, quer para atacá-lo, quer para difamá-lo, sem razão, e espera o auxílio no Senhor. Declara sua confiança na ação de Deus, aguarda que aqueles que querem o seu mal sejam punidos e que os que com ele aguardam o agir do Senhor, e esperam que ele continue firme, espera que sejam abençoados.

Acredito que a chave desse salmo é exatamente a questão que o salmista deixa claro: que as perseguições e calúnias que está sofrendo são sem causa. Muitas vezes causamos mal e não queremos as consequências. É claro que se nos arrependermos de algum mal praticado, o Senhor nos perdoa! Mas não podemos esperar que sempre sejamos livres das consequências de nossos atos. Por exemplo: uma pessoa comete um roubo e vai presa. Na cadeia, ela reconhece seu erro, busca ao Senhor e se arrepende. Diante de Deus ela estará perdoada se o fizer de coração! Mas, diante das leis da sociedade, essa pessoa terá que assumir as consequências de seus atos, que é permanecer algum tempo na cadeia. Existem situações em nossa vida que até podemos ser libertos das consequências de nossos atos por misericórdia do Senhor. Mas existem outras que, mesmo perdoados pelo Senhor, estarão diante de nós para que assumamos as consequências de nossas atitudes.

Assim, o que o salmista diz é que ele sofre perseguição ou difamação de forma injusta. Quer dizer que ele não fez nada para merecer tal situação! Não é consequência que teria que ser assumida diante da sociedade por um ato errado praticado. Ele sofre isso de forma injusta, não fez nada para merecer!

Claro que se conhecemos alguém que errou, mas que dá mostras de seu arrependimento, nós não devemos causar a essa pessoa o incômodo por seu erro. Se a pessoa se arrependeu, buscou ao Senhor, e dá mostras de seu arrependimento, nós não devemos ficar atormentando a pessoa com seu erro. O duro é que muitas vezes mesmo depois que a pessoa se arrepende e mostra que se arrependeu e já alcançou do Senhor o perdão, ainda assim há quem fique acusando a pessoa por aquele erro. Onde colocamos: "As coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo"?

Logo, não acuse alguém injustamente. Não persiga uma pessoa por antipatia gratuita. Nem mesmo se mantenha na acusação quando alguém se arrepender e buscar a mudança diante de um erro.

E se você for alvo de perseguição ou difamação injusta, quer seja porque não fez nada para merecer isso ou porque fez, mas se arrependeu e está buscando nova vida diante das coisas, confie no Senhor. Ele é seu refúgio e salvação. Deixe que Ele vai cuidar de você. É assim que o salmista crê. Quer aguardar no Senhor o cuidado e a vitória.

Os que se levantam contra você serão envergonhados e confundidos. E os que lutam com você pela verdade, estarão em alegria com você, pois quem vai agir é o Senhor. Confie Nele. Deixe Ele agir. Não lute com suas próprias forças e armas. Deixe nas mãos do Senhor e você terá a vitória. Não importa o tempo que passe, você será o vitorioso. Nós já somos mais que vencedores em Jesus, o Cristo! Não há derrota aparente e momentânea que nos tire a vitória, que já é nossa, se estivermos ligados ao Senhor!

Anuncie os feitos do Senhor. Anuncie Sua misericórdia, Seu agir, Seu cuidado. Quando Ele fizer algo, não deixe de anunciar! E não espere só o agir em coisas novas. Ele já agiu em nosso favor nos garantindo em Cristo a salvação. Logo, louve e anuncie o Senhor! Quer por algo novo que Ele venha fazer no correr dos dias, quer seja pela salvação!

 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 31/05/07 por e-mail.