Comentário devocional do Apocalipse

16/05/2007

 

Apocalipse.14.1-5

1 E OLHEI, e eis que estava o Cordeiro sobre o monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que em suas testas tinham escrito o nome de seu Pai.
2 E ouvi uma voz do céu, como a voz de muitas águas, e como a voz de um grande trovão; e ouvi uma voz de harpistas, que tocavam com as suas harpas.
3 E cantavam um cântico novo diante do trono, e diante dos quatro animais e dos anciãos; e ninguém podia aprender aquele cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil que foram comprados da terra.
4 Estes são os que não estão contaminados com mulheres; porque são virgens. Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vá. Estes são os que dentre os homens foram comprados como primícias para Deus e para o Cordeiro.
5 E na sua boca não se achou engano; porque são irrepreensíveis diante do trono de Deus.

Mais uma vez aparece aqui o número 144.000. Na primeira vez que aparece (capítulo 7), fala dos judeus, dos descendentes das tribos. Lembro que o número pode ser exato, como pode ser apenas uma representação profética, um número que quer dizer mais. Esse número é completo, é um número que é resultado da seguinte operação: 4 x 3 = 12; 12 x 12 = 144; 144 x 1000 = 144.000. Lembramos: 4, está ligado com provação, com tentação, com a humanidade; 3, com o divino, trindade; logo, 4 x 3 (ou até 4 + 3 = 7 - dias da Criação - atuação divina da história humana!) quer mostrar a união do Divino com o humano. O fato de multiplicar o número por ele mesmo, já indica um certo exagero nas contas, mostra que é algo que começa a ficar difícil de contar. Quando temos o número 1000 nessa conta, isso mostra claramente esse exagero, essa impossibilidade de contar. Isso nos leva a pensar que esse número pode tanto ser exato (144.000) como pode ser a demonstração de algo que é muito numeroso e que nem dá pra contar. Os números em profecia (e no Apocalipse) podem ser exatos ou podem representar algo.

Esses 144.000 aqui não se dobraram ao Anti-Cristo. Não aceitaram a sua marca (13.18). Antes, nas suas testas, encontramos "escrito o nome de seu Pai". Pertencem a Ele! É Dele que vem a autoridade dessas pessoas.

Muitos sons são ouvidos aqui. E só os 144.000 podem aprender o cântico novo que será entoado nesse momento. Só aqueles que pertencem ao Senhor que poderão cantar naquele dia, poderão declarar o Senhorio do Cordeiro! Todo joelho irá se dobrar pra confessar que Ele é Senhor, mas este cântico só será dado aos que estiverem com Ele.

O texto fala claramente da virgindade desses 144.000, citando, inclusive, que não conheceram mulher. Mas não podemos nos esquecer que quando há idolatria, há prostituição! Logo, o texto pode indicar que essas pessoas estão libertas da idolatria, que será maior ainda naqueles dias derradeiros da humanidade, até porque será necessário, para permanecer vivo e realizando transações comerciais, a declaração de adoração a Besta, através da aceitação de sua marca. Estar livre dessa marca, indica que não há prostituição espiritual!

O próprio texto de hoje, no versículo 5 nos faz pensar sobre essa possibilidade de prostituição espiritual através da idolatria! Jesus, que é a Verdade, será o Senhor destes e logo, não se achará mentira, engano em suas bocas, que serão irrepreensíveis, quer dizer, lavados e remidos no Sangue do Cordeiro. Jesus, a Verdade que liberta, os libertará do erro e do engano.

 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 16/05/07 por e-mail.