Comentário devocional do Apocalipse

18/04/2007

 

Apocalipse 12.7-12

7 E houve batalha no céu; Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão e os seus anjos;
8 Mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus.
9 E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele.
10 E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite.
11 E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até à morte.
12 Por isso alegrai-vos, ó céus, e vós que neles habitais. Ai dos que habitam na terra e no mar; porque o diabo desceu a vós, e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo.

No texto de hoje vemos uma batalha no céu.

Como há quem interprete o varão do capítulo 12 como Jesus, o Cristo, e não da forma como interpreto, que esse varão é a união do Corpo com a Cabeça (Corpo - cristãos salvos; Cabeça - Jesus Cristo), a sequência desse texto também é interpretada de forma diferente que a que vou colocar neste espaço.

Quando se entende que o varão é apenas Jesus, no texto de hoje o diabo é expulso do céu quando Ele chega por lá, quando sobe no texto de Atos. O texto pode ser uma alusão ao fato antigo da expulsão de Satanás e seus anjos rebelados, citado no Antigo Testamento (Isaías 14.12-15 ou Ezequiel 28.11-19, que compara situações envolvendo reis com eventos acontecidos no céu) ou da vitória de Cristo quando, através de Seu sangue nos lava do pecado e também na vitória sobre a morte.

Mas...

Se quando Jesus sobe aos céus, o diabo já expulso de lá, temos um problema, no mínimo, com um texto muito conhecido do apóstolo Paulo: Efésios 6.12 - Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.

Se Jesus, subindo aos céus, já expulsou o acusador, como nossa luta é essa descrita por Paulo? Nas regiões celestiais? Mas o texto de hoje revelaria que o inimigo estaria na terra e expulso das regiões celestiais...

Logo, entendo, o texto de hoje não fala do momento do derramamento de sangue de Cristo para nos libertar da escravidão do pecado, nem da vitória sobre a morte e muito menos de Sua subida aos céus.

O momento histórico aqui descrito é outro! Entendo, pessoalmente, que esse é o momento em que o inimigo virá com fúria para a terra, para usar o Anti-Cristo, numa última tentativa de vitória e de mudança da história que ele sabe irá acontecer: sua derrota final.

O versículo 11 é revelador: E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até à morte.

Somos mais que vencedores em Cristo, Jesus. Mas, vemos no Apocalipse, logo no começo, nas cartas, uma colocação que parece passar desapercebida. Vemos o seguinte:

Apocalipse 2.7

Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Deus.

Apocalipse 2.10

Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.

Apocalipse 2.17

Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer darei eu a comer do maná escondido, e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe.

Apocalipse 2.26

E ao que vencer, e guardar até ao fim as minhas obras, eu lhe darei poder sobre as nações,

Apocalipse 3.5

O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos.

Apocalipse 3.12

A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome.

Apocalipse 3.21

Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono.

(Os grifos no texto são meus)

Os textos acima citados falam da vitória ainda no futuro. Logo, temos hoje a condição para vivermos como vitoriosos (depois de lavados no Sangue do Cordeiro, se deixarmos o Espírito Santo guiar nos guiar), mas seremos considerados vitoriosos de fato quando chegar o dia que nos apresentaremos ao Senhor. Já vivemos como vitoriosos hoje, mas devemos tomar cuidado para não permitirmos que o inimigo de nossas almas nos tire essa vitória, pois ele só será derrotado definitivamente depois do reinado milenar de Cristo, que veremos nos próximos dias. Nós, se vivermos da forma correta, buscando a santidade, teremos ou nossos corpos transformados no arrebatamento se estivermos vivos naquele dia ou iremos ressuscitar e subir com o Senhor. Experimentaremos a vitória nesse dia!

O versículo 11 do texto de hoje revela o momento dos vitoriosos, quer dizer, o arrebatamento/ressurreição, o dia em que o Senhor vem como um ladrão, sem avisar, em que pessoas se casam e se dão em casamento, sem nem saber o que está por vir. E estes voltarão com o Senhor no dia em que o Anti-Cristo for derrotado, para a instalação do reinado milenar, dia este que será precedido de muitos sinais. Hoje, vemos que está chegando a hora. Mas aqueles que estiverem aqui nos últimos 7 anos, na última semana profética de Daniel, verão com mais nitidez que o dia final se aproxima.

O arrebatamento é o dia que o Senhor vem como um ladrão. E quando chegar a hora do reinado milenar, os acontecimentos da Grande Tribulação vão mostrar claramente que o fim está chegando.

 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 18/04/07 por e-mail.