Comentário de Epístola: 1 Pedro

16/04/2007

 

Autoria
A carta parece ser do apóstolo Pedro, e não há evidências de que a autoria de Pedro tenha alguma vez sido desafiada na igreja primitiva. Silvano, que acompanhou Paulo na segunda viagem missionária, provavelmente tenha ajudado Pedro na escrituração de 1ª Pedro (5.12).

Data
Pedro se dirige aos cristãos que vivem em várias partes da Ásia Menor, os quais estão sofrendo rejeição no mundo devido à sua obediência a Cristo (4.1-4, 12-16). Ele, portanto, relembra-os de que têm uma herança celeste (1.3-5).

Pedro soube das tentações deles e refere-se a eles como “estrangeiros dispersos” (1.1). Eles são, em sua maioria gentios convertidos. Sua antiga vida era de obscenidades, bebedeira e idolatria (4.3). Os compatriotas deles estão surpresos por eles agora viverem de maneira diferente (4.4). Embora sofrer seja a “ardente prova” (4.12), aparentemente não há a vinculação do martírio. Além do mais, a perseguição é normalmente a exceção (3.13,14; 4.16).

A tradição antiga sugere que Pedro foi martirizado em Roma junto com a severa perseguição de Nero aos cristãos depois do incêndio de Roma em 64 d. C. O início dos anos 60 é uma boa estimativa para a composição de 1 Pedro.

A Carta
Entre várias exortações para a vida fiel em meio a uma sociedade ímpia e corrupta, a salvação prometida no Evangelho também está bastante lembrada em 1 Pedro. A salvação futura que aguarda os crentes na revelação de Jesus é especialmente relatada no princípio da carta (1.3-13), sendo esta a esperança do cristão. Mesmo tendo Cristo sofrido e depois sido glorificado, os cristãos deveriam antever a glória porvir, embora pudessem ser perseguidos pela fé nessa vida (1.6-7; 4.12-13). A paciência em meio ao sofrimento injusto é “agradável a Deus” (2.20).

Também há um referência ao importante objetivo dos crentes de levar outros a Deus por meio de seu testemunho com base em seu estilo de vida piedoso. Eles, portanto, proclamam os louvores de Deus (2.9), silenciam os homens loucos realizando boas obras (2.15), ganham esposas para Cristo por seus exemplos (3.1), envergonham os críticos ímpios (3.15-16) e confundem antigos companheiros (4.4). Os cristãos devem ser uma força de redenção no mundo, apesar do sofrimento.

Esboço de 1 Pedro
Introdução 1.1-2

I. A fé e esperança dos crentes no mundo 1.3-2.10
  Regozijando na esperança da volta de Cristo 1.3-12
  Vida Justa devido à esperança 1.13-2.3
  Renovação para o povo de Deus 2.4-10

II. A conduta do crente nas circunstâncias diárias 2.11-5.11
  Submissão e respeito pelos outros 2.11-3.12
  Sofrimento em nome de Cristo 3.13-4.19
  Servindo humildemente enquanto sofre 5.1-11

Conclusão 5.12-14
  Silvano, auxiliar 5.12
  Saudações 5.13
  Exortações finais com bênção 5.14
 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 16/04/07 por e-mail.