Comentário de Epístola: Hebreus

02/04/2007

 

Autoria
Hebreus não designa seu autor, e não existe unanimidade de tradição em relação à sua identidade. Alguns estudiosos destacam algumas evidências que podem indicar uma autoria Paulina, enquanto outros apresentam evidências mais que convincentes da diferença de estilo das Cartas tidas como Paulinas e a Epístola aos Hebreus, descartando assim a autoria de Paulo. Muitos desses que descordam (na minha opinião, com razão) da autoria Paulina, insistem que teria sido o autor um dos colaboradores de Paulo, como Barnabé ou Apolo. A especulação provou-se infrutífera, e a melhor conclusão pode ser a de Orígenes, no séc. III, que declarava que só Deus sabe ao certo quem a escreveu.

Data
O conteúdo de Hebreus indica que foi escrito antes da destruição do Templo em 70 dC (10.11; 13.11). A única evidência em relação ao local em que o livro foi escrito é a saudação enviada pelos “da Itália” (13.24), indicando talvez que o autor estivesse em Roma ou que teria passado por lá antes de escrever a epístola e anunciou o desejo de fazê-lo aos de Roma que se preocuparam em enviar suas saudações.

Conteúdo
Uma palavra importante da epístola é “melhor”, "mais excelente", "superior"..., usadas para descrever a Cristo e os benefícios do evangelho (1.4; 7.19,22; 8.6; 9.23; 10.34; 11.16,35,40).

A maioria das bênçãos do judaísmo relacionava-se com as coisas terrenas: um tabernáculo ou templo terreno, sacerdotes terrenos, sacrifícios terrenos, um acordo que prometia a prosperidade terrena. Em contraste, Cristo está “à destra da Majestade, nas alturas” (1.3), onde distribui as bênçãos celestes (3.1; 6.4; 8.5; 11.16; 12.22-23).

Um ponto importante desta epístola é a apresentação do ministério de Sumo Sacerdote do Senhor, não segundo a ordem de Aarão, mas sim de Melquisedeque, que não tinha antecessores nem sucessores no sacerdócio. Sendo assim, Melquisedeque era um tipo perfeito para Cristo, que recebeu o cargo do sumo sacerdote por invocação direta de Deus, e não por herança (5.5-6). Enquanto o sacerdote aaraônico tinha que oferecer sacrifícios continuamente por seus próprios pecados, bem como pelos pecados de outras pessoas, Cristo ofereceu de uma vez por todas sua própria pessoa sem pecados, como o sacrifício perfeito. Ele experimentou na carne a provação que todos os crentes conhecem, e por isso Ele é capaz de interceder compassivamente em nome de cada um.

O capítulo 11, talvez o mais citado desta Epístola em todos os tempos, enumera alguns dos grandes heróis da fé no Antigo Testamento. Os vs. 4-35 registram bênçãos maravilhosas e notáveis vitórias alcançadas através da fé, enquanto os vs. 36-38 registram aqueles que resistiram a grandes provas, sofrimento e perseguição através da fé.

Esboço de Hebreus
I. A superioridade da pessoa de Jesus 1.1-4.13
  Jesus: Melhor do que os profetas 1.1-3
  Jesus: Melhor do que os anjos 1.4-2.18
  Jesus: Melhor do que Moisés 3.1-19
  Jesus: Melhor do que Josué 4.1-13

II. A Superioridade do Ministério de Jesus 4.4-10.8
  Jesus: Melhor do que Arão 4.14-5.10
  O Sacerdócio de Melquisedeque 7.1-8.5
  Jesus é mediador de uma melhor aliança 8.6-10.18

III. A superioridade da caminhada da fé 10.19-13.25
  Um chamado à segurança total da fé 10.19-11.40
  A persistência da fé 12.1-29
  Admoestações sobre o amor 13.1-17
  Conclusão 13.18-25

 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 02/04/07 por e-mail.