Comentário de Epístola: 2 Timóteo

12/03/2007

 

A Carta
Tudo indica que Paulo foi libertado da prisão romana pouco depois de Atos ter sido escrito e empenhou-se em viagens missionárias, viajando até a Espanha. Durante a era das perseguições iniciadas por Nero em 64 d. C., Paulo foi preso de novo, provavelmente em Trôade (4.13), e levado para Roma. Antes, ele esperava ser solto, mas agora ele esperava a morte (4.6-8). Ao escrever esta carta, somente Lucas estava com Paulo (4.11), tendo todos os outros partido por vários motivos.

Embora Paulo seja conciso e direto, ele também é meigo, caloroso e carinhoso. Em 2 Timóteo vemos Paulo revelando emoções mais do que seu intelecto. Consequentemente, a carta não era um produção literária ordenada bem planejada, mas sim uma nota pessoal contendo a última vontade e o "testamento" do apóstolo.

Data
A carta originou-se devido à preocupação de Paulo com as necessidades de Timóteo, bem como suas próprias. Ele lembrou seu discípulo de suas responsabilidade e o advertiu a se entregar de corpo e alma à sua tarefa. Em relação a si mesmo, Paulo necessitava de algumas coisas pessoais (4.13) e, em sua solidão, desejava ver Timóteo e Marcos (4.9-11). Há pouca dúvida sobre Paulo ter escrito esta carta pouco antes de sua morte. Como é provável que ele tenha sido executado antes da morte de Nero em 68 d. C., a carta deve ser datada de 66/67 d. C..

Esboço de 2º Timóteo
I. Introdução 1.1-5
  Saudação 1.1-2
  Ação de graças 1.3-5

II. 1ª Incumbência: Fidelidade face às dificuldades 1.6-14
  Devido à natureza da experiência cristã 1.6-8
  Devido à grandeza do evangelho 1.9-11
  Devido ao exemplo de Paulo 1.12-14

III. 2ª Incumbência: Fidelidade face à deserções 1.15-2.13
  O exemplo de Onesíforo 1.15-18
  O caráter da obra de Timóteo 2.1-7
  A obra redentora de Cristo 2.8-13

IV. 3ª Incumbência: Fidelidade face ao erro 2.14-4.8
  Erro doutrinário 2.14-26
  Erro prático 3.1-4.8

V. Conclusão 4.9-22
  Instrução 4.9-13
  Advertência 4.14-15
  Explicação 4.16-18
  Saudações 4.19-21
  Bênção 4.22
 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 12/03/07 por e-mail.